Tamanho do texto

Sobrevivente não negou que criança de 10 anos disparou contra policiais, mas diz que colega já estava rendido quando foi executado, nesta quinta-feira; DHPP investiga o episódio

Local onde garoto de 10 anos foi morto em confronto com policiais militares, na Vila Andrade
Rafael Arbex/Estadão Conteúdo - 3.6.16
Local onde garoto de 10 anos foi morto em confronto com policiais militares, na Vila Andrade

O menino de 11 anos que testemunhou a morte de um amigo de 10 na noite destas quinta-feira (2) mudou sua versão do caso no segundo depoimento que prestou à polícia, na noite desta sexta-feira (3). Ele disse que a dupla, que fugia em um carro furtado de um condomínio na Vila Andrade, zona sul da cidade, havia parado de atirar nos policiais quando o veículo bateu e que os policiais militares que os perseguiam chegaram atirando, matando o colega.

Em seu primeiro depoimento, o menino disse que seu colega havia efetuado dois disparos contra os PMs. Depois, o menino perdeu o controle do veículo e bateu em um ônibus. Na sequencia, o menino teria efetuado mais um disparo nos policiais, que reagiram e o mataram.

No segundo depoimento, negou a existência do segundo tiro.

O menino ainda está sendo ouvido na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no centro da cidade. A Polícia Civil ofereceu proteção para o garoto, sua família e também à família da criança morta ontem.