Tamanho do texto

Temporal interditou estradas e paralisou órgãos públicos no Recife; parte da Orla de Olinda desabou e segue intransitável

Agência Brasil

Em Recife, região mais afetada foi a zona norte, onde os Bombeiros realizam operação resgate
Twitter/Reprodução
Em Recife, região mais afetada foi a zona norte, onde os Bombeiros realizam operação resgate


Quatro pessoas morreram em desastres causados pelas fortes chuvas que atingiram Pernambuco, na madrugada desta segunda-feira (30). Em Olinda, uma menina de 4 anos foi soterrada na região do Córrego do Passarinho e teve o corpo retirado dos escombros por equipes de resgate por volta das 5h30. O Corpo de Bombeiros não tem informações sobre as outras três vítimas, que morreram em desabamentos no Recife.

Os desastres aconteceram horas depois de a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) divulgar um alerta de temporal no Estado. Segundo a Apac, as chuvas no Recife atingiram a marca dos 200 milímetros em um período de 12 horas – mais da metade do esperado para todo o mês de maio. A quantidade de água provocou alagamentos em diversos pontos da região.

O diretor da Defesa Civil do Recife, o coronel Cassio Sinomar, acompanhou o resgate do corpo da criança e lamentou: "Infelizmente muita gente ainda insiste em fazer obras irregulares nas áreas de morro. E, aí, os acidentes acontecem".

A afirmação do agente público foi duramente criticada pela população local. "Não temos assistência de ninguém. Nem da prefeitura do Recife e nem da prefeitura de Olinda. Ficamos sendo jogados de um lado para o outro e aí temos que tentar resolver sozinhos. O rapaz que fez esse muro para tentar exatamente evitar que a barreira despencasse", disse um oque mora na localidade.

Além do deslizamento em Córrego do Passarinho, os temporais causaram um desabamento no bairro de Águas Compridas e na Orla, também em Olinda. Na manhã desta segunda-feira, os bombeiros realizavam operações de resgate para encontrar as vítimas restantes entre os. escombros. No Recife, a região mais afetada foi a zona norte da cidade – o túnel do bairro do Pina ficou intransitável por causa do volume de água.

Órgãos públicos, escolas e universidades paralisaram atividades porque funcionários e alunos não conseguiam se locomover devido aos engarrafamentos.  A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Universidade de Pernambuco (UPE) e a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) cancelaram as aulas no turno da manhã e devem emitir novo alerta caso as chuvas continuem.

O sistema Judiciário também ficou praticamente paralisado: o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e os tribunais regionais do Trabalho e o Eleitoral suspenderam o expediente desta segunda na região metropolitana.