Tamanho do texto

Ex-moradores de Bento Rodrigues optaram por terreno nove quilômetros distante da antiga vila; mineradora tem três anos para reerguer distrito, devastado durante a tragédia de Mariana

Estragos no distrito de Bento Rodrigues após rompimento da barragem de Fundão, em Mariana
Douglas Magno/O Tempo/AE
Estragos no distrito de Bento Rodrigues após rompimento da barragem de Fundão, em Mariana

Os ex-moradores de Bento Rodrigues, o distrito de Mariana destruído em 5 de novembro do ano passado com o rompimento da barragem da Samarco, escolheram neste sábado (7) o local em que a vila será reconstruída.

O terreno escolhido entre as três áreas selecionadas chama-se Lavoura e fica a oito quilômetros de Mariana e a nove quilômetros da extinta Bento Rodrigues. A Lavoura obteve 206 votos entre os representantes das 223 famílias que viviam no antigo distrito.

A área escolhida para sediar a nova vila pertence à siderúrgica ArcellorMittal. De acordo com a Samarco, em nota enviada à imprensa, a Lavoura oferece "topografia adequada, oferta de alternativas hídricas (incluindo proximidade de nascentes), facilidade de acesso a transporte público e solo de qualidade para plantio e criação animal".

Agora com o terreno escolhido, serão realizados estudos técnicos de viabilidade da área atendendo a uma solicitação do Ministério Público de Minas Gerais. O passo seguinte será a definição do projeto urbanístico do local em conjunto com os moradores, "onde serão edificadas casas e também espaços comuns, como praças, escolas, postos de saúde, templos religiosos e campos de futebol", informou a Samarco.

Segundo o acordo assinado com os governos federal, de Minas Gerais, do Espírito Santo e com outras entidades governamentais, a Samarco tem três anos para reconstruir o distrito.

Bento Rodrigues ficava a cerca de 30 quilômetros de Mariana. Além da destruição do distrito, a lama que vazou da barragem da Samarco matou 18 pessoas. Uma ainda está desaparecida.


*Com informações do Estadão Conteúdo