Tamanho do texto

Antônio Carlos Branquinho, ex-juiz do Trabalho, está preso desde 2010 pelo crime de abuso sexual contra adolescentes

Agência Brasil

A Justiça do Amazonas condenou o ex-juiz do Trabalho Antônio Carlos Branquinho a pagar R$ 1 milhão em indenização por danos morais coletivos. Ele está preso desde julho de 2010 pelo crime de abuso sexual contra adolescentes nas dependências da Vara do Trabalho no município de Tefé. Branquinho também teve a aposentadoria cassada e os direitos políticos suspensos por cinco anos. Ele pode recorrer da decisão.

Antônio Carlos Branquinho deverá  pagar R$ 1 milhão em indenização por danos morais coletivos
Reprodução
Antônio Carlos Branquinho deverá pagar R$ 1 milhão em indenização por danos morais coletivos


A ação de improbidade administrativa contra o ex-juiz foi movida pelo Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM). Segundo o órgão, ele foi condenado em dois processos criminais distintos, ambos do MPF-AM entre os anos de 2010 e 2011, por pedofilia e aproveitamento indevido de cargo público e do poder da autoridade de juiz.

A condenação foi divulgada na quarta-feira (28) pelo MPF-AM. Antônio Carlos Branquinho cumpre pena de 33 anos de prisão em regime fechado. A investigação da Polícia Federal (PF) mostrou que o réu atraía crianças e adolescentes com promessas de pagamento ou se valia do cargo de juiz para intimidar as vítimas. Na época, a PF apreendeu fitas e fotos com imagens que o ex-juiz fazia dos atos sexuais.

A reportagem tentou localizar o advogado de Antônio Carlos Branquinho, mas não conseguiu até a publicação da matéria.