Tamanho do texto

Sistema hídrico de São Paulo, que estava em crise profunda desde maio do ano passado, atingiu 29,3% da capacidade

Vista da Represa Jaguari-Jacareí, em Bragança Paulista (SP), parte do Sistema Cantareira (6/02)
Futura Press
Vista da Represa Jaguari-Jacareí, em Bragança Paulista (SP), parte do Sistema Cantareira (6/02)

Depois de operar no volume morto desde 16 de maio de 2014, o Sistema Cantareira atingiu nesta quarta-feira (30) a superfície das comportas, com o nível em 29,3% de sua capacidade.

Segundo as informações da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), de ontem para hoje, o sistema recebeu mais 5,4 milímetros de água, elevando para 258,2 mm o volume captado desde o início deste mês, acima do esperado para todo o mês de dezembro, que era 219,4 mm.

No entanto, ainda faltam mais 0,2 bilhões de litros de água para repor toda a água utilizada da reserva técnica. Até maio do ano passado, esse manancial abastecia cerca de 9 milhões de pessoas na capital e no interior. Com o agravamento da crise hídrica, a Sabesp reduziu, gradativamente, esse universo, racionalizando o atendimento por meio da transferência de consumidores para outros mananciais, no caso os Sistemas Alto Tietê e Guarapiranga. Hoje, 5,2 milhões de pessoas dependem das retiradas do Cantareira.

A melhora do Sistema Cantareira se deve não só ao aumento das chuvas nesse fim de ano, mas também à redução de consumo e ao racionamento de água. Neste ano, moradores que gastaram menos água ganharam bônus da Sabes, de um desconto que podia chegar a 30% na conta. Já aqueles que gastaram mais água do que faziam antes da crise hídrica, receberam multas da companhia de até 100% do valor da conta.

No Sistema Alto Tietê, foi registrada pequena melhora no armazenamento entre ontem e hoje, mas o nível ainda é baixo, passou de 23,3% para 23,5%. Já no Guarapiranga, o nível baixou de 90,9% para 88,2%. No Rio Grande, o nível também caiu de 96,3% para 95,5%, enquanto no Alto Cotia, o nível de armazenamento passou de 84,4% para 85,5%. O Sistem Rio Claro ficou estável com de 71% de armazenamento.

*Com Agência Brasil