Tamanho do texto

Após ter celular roubado por adolescente, carioca protegeu infrator de linchamento, o acompanhou até a delegacia e promete ajudá-lo a encontrar emprego e moradia

BBC

"Ficou com pena? Adota!", diz o mantra preferido dos defensores da redução da maioridade penal nas redes sociais. Vítima de um roubo no centro do Rio de Janeiro na última sexta-feira, um carteiro carioca promete seguir conselho ao pé da letra.

'Não quero só arrumar uma escola ou um trabalho para ele. Mas acho que posso apresentar a esperança que ele nunca teve, que tem gente que se importa, aliás, que 25 mil pessoas torcem por ele e por sua vitória', diz Domênico
Reprodução/Facebook
'Não quero só arrumar uma escola ou um trabalho para ele. Mas acho que posso apresentar a esperança que ele nunca teve, que tem gente que se importa, aliás, que 25 mil pessoas torcem por ele e por sua vitória', diz Domênico

Depois de ter o celular roubado por um adolescente pela janela do ônibus, Deivid Domênico correu atrás do infrator, o protegeu de um linchamento, acompanhou o menor até a delegacia e agora se prepara para visitá-lo no centro de reclusão para onde foi levado.

O carioca narrou o assalto pelo Facebook enquanto estava na delegacia junto ao adolescente. Em três dias, o texto - cuja frase mais comentada é "Como sou contra a redução da maior idade penal, vou seguir o conselho da Rachel Sheherazade, vou adotar meu bandido" - alcançou mais de 27 mil curtidas e 4,8 mil compartilhamentos.

"Com a repercussão, eu percebi que (os críticos da redução da maioridade penal) somos maioria. Os outros só falam mais alto", disse Domênico à BBC Brasil. Entre mais de 400 comentários publicados nas últimas 72 horas, menos de 20 criticam a iniciativa do carteiro.

A percepção, entretanto, não reflete a última pesquisa nacional em torno do tema: segundo o instituto Datafolha, 87% dos brasileiros são favoráveis à redução.

'Adoção'

Domênico conta que tem visita marcada ao Instituto Padre Severino, centro de reclusão onde o jovem está apreendido há três dias, na próxima quinta-feira. Não estará sozinho.

"Vou com um advogado amigo meu e uma assistente social que apareceu oferendo ajuda pelo 'Face'."

Ele diz que não pretende "se tornar um herói" e explica o que quis dizer com o termo adoção. "Quando digo que vou adotá-lo, é adotá-lo de oportunidades", afirma. "Não quero só arrumar uma escola ou um trabalho para ele. Mas acho que posso apresentar a esperança que ele nunca teve, que tem gente que se importa, aliás, que 25 mil pessoas torcem por ele e por sua vitória."

O carteiro também é músico e autor do samba-enredo de 2015 da escola de samba Mangueira - comunidade onde vive, na zona norte carioca.

Ele conta que se surpreendeu ao descobrir que o garoto também vive na região da favela. "Disse que ele deu sorte 'deu' não deixar matarem ele e de eu não encontrar ele na Mangueira e avisar que ele me roubou. O moleque chorou e pediu pra eu não dar queixa", diz o texto que publicou na rede social (leia na íntegra abaixo).

Após ser roubado pelo adolescente carteiro comenta o fato em seu perfil no Facebook
Reprodução/Facebook
Após ser roubado pelo adolescente carteiro comenta o fato em seu perfil no Facebook

À BBC Brasil, Domênico contou que conversou com o presidente da escola, Chiquinho da Mangueira, para discutir possibilidades para o futuro do garoto. A reportagem também entrou em contato com Chiquinho - que se divide entre o posto máximo da escola e o quarto mandato como deputado estadual pelo PMN (Partido da Mobilização Nacional).

"Houve, sim, a conversa e estamos dispostos a ajudar", disse o deputado por telefone. "A gente tem que botar ele para estudar. Para praticar esporte lá na Vila Olímpica da Mangueira. Não adianta jogar na bateria da escola, se ele quisesse ser ritmista já tinha virado, isso é 'enxugar gelo'."

'Bandido'
O jovem infrator tem 16 anos e morava sozinho, segundo Domênico, em um prédio abandonado "sem luz, nem água" nos arredores da favela. Domênico se dedica agora a encontrar a família do rapaz. "Já descobri que a avó dele é uma senhora de bem e mora no Flamengo, provavelmente também em uma comunidade."

À reportagem, o carteiro diz "não se iludir" sobre o garoto. "Ele é bandido, mas isso pode mudar", diz. "Ele é uma pessoa cruel, não sabe o que é família, não sabe o que é amor ou carinho, p*** nenhuma. Ele só sabe o que é porrada."

Domênico conta que o jovem chorou na delegacia quando se viu amparado pelo homem que assaltou horas antes. "Eu disse: se não quiser ser preso, então não rouba. Mas, calma. Estou aqui para te ajudar a se recuperar como cidadão."

Leia na íntegra o post que viralizou no Facebook:

"ACABEI DE SER ROUBADO

Olha que p***... Acabei de ser roubado. Tava lendo as palhaçadas do grupo do futebol dos compositores, no Whatsapp, terminado meu serviço e no ônibus. Um moleque me deu o bote e pegou meu celular... Olhou pra mim e disse: Vem, vem atrás? Eu fui. O moleque esquece que sou carteiro e conheço a rua do centro melhor que a minha casa. O moleque teve a coragem de me assaltar uniformizado, acreditem. Ele correu pra Uruguaiana, meu local de trabalho, mano. Peguei ele. Geral viu e saiu pegando ele de porrada. Tentei não deixarem bater nele, mas não teve jeito. Mas não deixei arrebentarem, consegui junto com os seguranças impedir que a ele apanhasse mais. Aí levamos pra uma biombo pra nego não matar ele. Fui conversar com o garoto. Adivinha de onde ele é? MANGUEIRA. Dei-lhe um esporro e disse que ele deu sorte deu não deixar matarem ele e de eu não encontrar ele na Mangueira e avisar que ele me roubou, o moleque chorou e pediu pra eu não dar queixa. Vim pra delegacia e ele tem várias passagens. Perguntei a ele por que não tocava na bateria, por que não trabalhava na quadra, por que não estava estudando? Ele disse que não tem pai, nem mãe e que não dão emprego a ele. Ele tem 16 anos e vive sozinho no IBGE [antigo prédio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, hoje abandonado e ocupado na região do morro da Mangueira]. Eu disse que ele não vai ficar 2 dias preso e que faço questão de ajudá-lo. Que quando ele sair é pra me procurar na Mangueira, vou ajudar esse moleque. Segundo ele, toca um instrumento. Vou pedir o presidente e aos diretores de bateria pra ver se ele tem talento e arrumar uma p*** qualquer pra ele fazer na quadra. Como sou contra a redução da maior idade penal, vou seguir o conselho da Rachel Sheherezade, vou adotar meu bandido. O que me roubou logo. Ah... Recuperei o celular, quem quiser pode ligar.

Boa tarde."