Tamanho do texto

Jovens com idades entre 16 e 18 anos foram mortos com tiros na cabeça em Carapicuíba, na madrugada deste sábado (19)

Local onde vítimas foram encontradas executadas no município da Grande São Paulo
Edison Temoteo/Futura Press - 19.09.2015
Local onde vítimas foram encontradas executadas no município da Grande São Paulo

Horas após a morte de quatro jovens em uma chacina em Carapicuíba, na Grande São Paulo, uma informação já é conhecida: nenhum deles tinha antecedentes criminais, nem qualquer passagem pela polícia por atos infracionários.

Confirmada pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo neste sábado (19), a informação coincide com a de outros crimes semelhantes ocorridos recentemente na unidade federativa, mais especificamente na Região Metropolitana de São Paulo.

Apenas cinco das 19 vítimas da chacina ocorrida em Osasco e Barueri, no mês passado, tinham antecedentes. Em abril, apenas quatro dos oito mortos nas execuções ocorridas na sede da torcida Pavilhão 9, na região central paulistana, possuía passagens pela polícia. Em ambos os casos houve participação de policiais nos assassinatos. 

A investigação ainda não tem pistas da autoria dos homicídios.

Executados com tiros na cabeça
Os quatro jovens mortos em Carapicuíba por volta da 0h foram encontrados por policiais de bruços, todos com um tiro na cabeça – o que deixa claro que foram executados. Seus nomes são Matheus Moraes do Santos, 16 anos; José Carlos Costa do Nascimento, 17; Douglas Bastos Vieira, 16; e Carlos Eduardo Montila de Souza, 18.

Ao lado dos corpos, os policiais enviados para atender o chamado encontraram e apeenderam duas motos, que ainda não se sabe se pertencia a eles. A perícia também apreendeu cápsulas e projetéis deflagrados para descobrir a origem das balas. 

O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil. O órgão não informa qual é a linha de investigação ou se já há alguma suspeita de autoria do crime.