Tamanho do texto

Artefato era pequeno, afirma secretaria de segurança de SP; há quatro meses, dois diretórios do PT no Estado foram atacados

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Ricardo Stuckert/Instituto Lula
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

A sede do Instituto Lula, em São Paulo, foi alvo de um ataque a bomba que causou danos materiais mas não deixou feridos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), o artefato era pequeno e os prejuízos foram poucos.

O ataque ocorreu por volta das 22h de quinta-feira (30) e o objeto foi arremessado de dentro de um carro, segundo o instituto. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o Secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, mantiveram contato e as investigações foram iniciadas, informou a SSP.

Em nota, o instituto afirmou que o ataque foi "político" e informou esperar que os responsáveis sejam punidos.

Há quatro meses, o diretório regional do PT em São Paulo foi alvo de um ataque semelhante, que também não deixou feridos. Uma bomba de fabricação caseira, atirada também de dentro de um carro durante a madrugada, destruiu parte da porta principal de acesso ao escritório, móveis e documentos.

Leia também:

Diretório do PT em SP é atingido por bomba
Sede do PT em Jundiaí é incendiada

Sede do PT em Judiaí após ataque, em março
Reprodução
Sede do PT em Judiaí após ataque, em março

Dias antes, a sede do partido em Jundiaí, cidade do interior de São Paulo, havia sido danificada após um artefato – provavelmente um coquetel molotov – ser atirado contra o local. Cortinas, documentos e móveis foram queimados. A ocorrência também não deixou feridos.

Lava Jato

Em junho, reportagem do Jornal Nacional mostrou que o Instituto Lula recebeu R$ 3 milhões da Camargo Corrêa, uma das empreiteiras investigadas no âmbito da Operação Lava Jato. A empresa também pagou R$ 1,5 milhão à LILS Palestras Eventos e Publicidade, de propriedade do ex-presidente.

À época, o instituto alegou que os R$ 3 milhões eram referentes a doações para o desenvolvimento de atividades institucionais e que os repasses à LILS eram pagamentos por palestras realizadas pelo ex-presidente. A Camargo Corrêa afirmou que as contribuições ao Instituto Lula referem-se ao apoio institucional e ao patrocínio de palestras do ex-presidente ao exterior.

Nesta semana, a Secretaria Nacional de Organização do PT divulgou um relatório de atividades do Instituto Lula como forma de resposta às acusações.

"Em um momento onde certos setores atacam a liderança do ex-presidente Lula e lançam mentiras sobre suas atividades, vale conhecer o amplo trabalho no Brasil e no mundo, e divulgar contra as mentiras espalhadas por certos setores da imprensa", diz o partido, em nota publicada na quarta-feira (29) em uma rede social.

Aguarde mais informações

    Leia tudo sobre: lula