Tamanho do texto

Combate à pirataria foi dividido em duas etapas e pode terminar na sexta-feira (10)

A prefeitura do Rio de Janeiro espera legalizar toda área do mercado popular da Uruguaiana, no centro do Rio, conhecido como camelódromo. Para isso, deu início na terça-feira (7) à Operação Jerichó de combate à pirataria, que foi feita em duas etapas e tem previsão de acabar na sexta-feira (10).

Operação Jerichó em combate à pirataria em mercado da Uruguaiana, no centro do Rio
Márcia Foletto / Agência O Globo
Operação Jerichó em combate à pirataria em mercado da Uruguaiana, no centro do Rio


Inicialmente policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial, em conjunto com fiscais da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), interditaram para fiscalização os 1,6 mil boxes do centro comercial e apreendeu cerca de 3 toneladas de mercadorias, a maioria delas falsificadas e roubadas.

A segunda fase da operação tem o objetivo de regularizar a destinação dos boxes do camelódromo. “A partir de amanhã, a prefeitura orientará os trabalhadores de cada box para que apresentem os documentos necessários para a regularização do estabelecimento”, disse Leandro Matiele, secretário da Seop.

A coordenadora da Central de Mandados Cível do TJRJ, Moana Marques Linhares, conta que a polícia se infiltrou no local, meses antes da operação, para identificar os comerciantes que vendiam produtos falsificados. A busca, então, foi reduzida para cerca de 300 boxes.

A presidente da Comissão de Quadras do mercado popular, Iara Silva da Cunha, trabalha há 22 anos no local e defendeu a ação da Polícia Civil, desde que apenas as mercadorias piratas sejam apreendidas. “Eles estão fazendo o serviço deles, eu não sou contra. Mas nem todos aqui trabalham com pirataria”, disse Iara.

Leia mais: Mercadorias são apreendidas na Uruguaiana

O fechamento do centro comercial foi alvo de críticas de muitos que trabalham na feira e que ficarão sem vender nada ao longo da operação. William do Nascimento, dono de um box de conserto de celular há 20 anos, reclama de ter que ficar sem trabalhar nesses dias. “Eu que não tenho nada ilegal, fico sem trabalhar. O problema é que tem muita gente querendo trabalhar.”

Inaugurado em 1994, o mercado popular da Uruguaiana recebe mais de 5 mil pessoas por dia e tem 1,6 mil boxes que foram sorteados na época e não podem ser vendidos nem alugados.

No Rio, foram realizadas cerca de 35 operações de combate à pirataria nos últimos 12 meses, principalmente na capital e na Baixada Fluminense, segundo informações da Associação Brasileira de Combate à Falsificação. As ações, desenvolvidas em parceria com a Polícia Civil, a Receita Federal e a Polícia Federal, tiveram como alvo principalmente a venda de cigarros ilegais.

Leia também: Operação apreende celulares e relógios no camelódromo da Uruguaiana

Dados da Associação Brasileira de Combate à Falsificação (Abcf) indicam que cerca de US$ 40 bilhões (R$ 130 bilhões) deixam de ser arrecadados em tributos com a comercialização de produtos ilegais. Em todo o país, cerca de 1,2 mil operações foram realizadas em conjunto com a Polícia Civil entre janeiro de 2014 e janeiro de 2015.

Os produtos campeões de pirataria são cigarros, charutos, artigos de luxo e roupas. Os números da associação revelam ainda que o estado do Rio representa atualmente o quarto mercado consumidor nacional em relação a produtos contrabandeados, ficando atrás de São Paulo, Paraná e Minas Gerais.