Tamanho do texto

Preso desde dezembro no Rio, Sailson José das Graças tinha "plena consciência dos crimes", afirma promotor do caso; criminoso alega ter matado ao menos 38 mulheres em 9 anos

O Dia

Sailson José das Graças em foto em rede social: prazer em asfixiar as vítimas
Reprodução/Facebook
Sailson José das Graças em foto em rede social: prazer em asfixiar as vítimas

Sailson José das Graças, que passou a ser conhecido como "Monstro de Corumbá" devido à frieza na descrição de homicídios e impressionante confissão de ter matado 43 pessoas na Baixada Fluminense em nove anos, não sofre de insanidade mental. É o que afirma o promotor do Ministério Público encarregado do caso, que, em nome do órgão, disse ter convicção "absoluta" da culpa de Sailson em relação às denúncias de assassinatos. 

Leia mais:
Preso por assassinato afirma ter matado 43 pessoas nos últimos nove anos

"A conclusão do laudo pericial deixa claro que Sailson tinha plena consciência do que estava fazendo ao assassinar suas vítimas. Ou seja, Sailson não é doente mental, pois sabia muito bem o que fazia ao matar as suas vítimas. Além disso, esclareço que, em regra, basta um laudo de sanidade mental para todos os crimes cometidos pela mesma pessoa.", informou o promotor.

Questionado sobre a legalidade das declarações de Sailson, o MP esclareceu que as provas lícitas têm, sim, valor legal. É o que ocorre com a confissão do acusado em sede policial, que assumiu especial importância em razão da riqueza de detalhes, "que somente quem atuou nos crimes poderia saber", frisou o promotor. 

Leia também:
Serial killer de Nova Iguaçu gosta de ver vítimas morrerem com os olhos abertos
Assassino de garotas de programa guardava chaves de vítimas como troféus

De acordo com o MP, ainda não houve decisão do juiz que define se aceitará que o caso seja julgado pelo júri. O Tribunal de Justiça do Rio informou que o laudo de sanidade de mental de Sailson foi juntado ao processo e foi dada ciência às partes, ou seja, para o Ministério Público e a Defensoria Pública. 

Sailson foi preso em dezembro do ano passado, acusado de assassinato. Na ocasião, ele afirmou que matou mais de quatro dezenas de pessoas em menos de uma década. Cerca de 38, segundo o criminoso confesso, eram mulheres. 

“Segundo ele, quando matava a mando de alguém, usava uma faca. Quando era para alcançar o prazer, o êxtase próprio, estrangulava. Ele disse que gostava de ver a mulher morrendo com os olhos abertos”, disse ao iG na ocasião o delegado Pedro Henrique Brandão Medina, titular da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense. "Ele sentia prazer em vê-las se debatendo e lutando pela vida."

*Com iG

Veja quem são os maiores serial killers brasileiros:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.