Tamanho do texto

Caso ocorreu em Castelo do Piauí, cidade a 180 km da capital. As meninas, entre 15 e 17 anos, foram achadas inconscientes

A Justiça do Piauí deve ouvir no próximo dia 24 as vítimas e as testemunhas do estupro e das agressões a quatro adolescentes no interior do estado, ocorridos no fim de maio, no processo que apura a participação de quatro rapazes no crime, informou nesta sexta-feira (12) à Agência Brasil o promotor do caso, Cesário Cavalcante.

Ainda não foi definido se os depoimentos ocorrerão em Teresina ou em Castelo do Piauí, cidade a 190 quilômetros da capital piauiense e onde foi registrado o episódio de violência. Nesta quinta (11), os adolescentes foram ouvidos em Teresina. Na audiência, os pais dos jovens também prestaram depoimento.

Entenda:  Quatro jovens são estupradas e espancadas no interior do Piauí

Entre as pessoas indicadas pelo Ministério Público para depor está o adulto, de 40 anos, também suspeito de participar das agressões. “Eu incluí o nome dele entre as testemunhas. O inquérito do adulto já está em minhas mãos e até a próxima semana devo denunciá-lo formalmente à Justiça”, disse Cavalcante.

Policiais que socorreram as meninas também serão ouvidos. O processo que envolve os jovens deve ser concluído até o início de julho. Como eles estão internados provisoriamente em Teresina, o juiz deve respeitar o prazo máximo de 45 dias para concluir o caso e determinar as medidas socioeducativas.

Leia também:

Justiça ouvirá menores suspeitos de cometerem estupro coletivo no Piauí

"Sabíamos da gravidade", diz enfermeira após morte de vítima de estupro coletivo

Isso deve ocorrer depois dos depoimentos e das alegações finais da Promotoria e dos defensores. A defesa dos adolescentes é feita por dois defensores públicos do estado.

O crime ocorreu em maio. Quatro garotas foram amarradas, agredidas e estupradas e depois jogadas do alto de um penhasco. Uma das vítimas, de 17 anos, morreu no último dia 7. Ela teve a face esmagada, lesões no pescoço e no tórax. Duas das meninas tiveram alta hospitalar e uma continua internada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.