Tamanho do texto

Polícia diz que rapaz atingido na Vila Cruzeiro participava de tiroteio, já família afirma que ele ia jogar futebol

Edeson Manso de Souza e Madonna durante a visita da cantora ao Rio em 2010
Reprodução Facebook
Edeson Manso de Souza e Madonna durante a visita da cantora ao Rio em 2010

Ajudado pela cantora Madonna em sua passagem pelo Rio em 2010, Edeson Manso de Souza, de 23 anos, teve parte da perna amputada após ser baleado com um tiro de fuzil no Parque Proletário, no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio, na última segunda-feira. A família do rapaz tenta provar sua inocência após acusações da polícia de que ele teria participado do tiroteio contra agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Ele foi preso em flagrante ao ser reconhecido por policiais e está internado sob custódia no Hospital Federal de Bonsucesso.  De acordo com a 22ª DP (Penha), ele foi preso pelos crimes de tentativa de homicídio e associação ao tráfico de drogas. 

Edeson Manso de Souza está algemado ao leito no Hospital Federal de Bonsucesso
Reprodução Facebook
Edeson Manso de Souza está algemado ao leito no Hospital Federal de Bonsucesso

Segundo a página "Complexo da Penha Notícias" no Facebook, a família do rapaz afirma que ele ia para um campo de futebol quando começou a troca de tiros entre policiais e traficantes. Edeson correu, junto com outros moradores, para procurar abrigo.

De acordo com parentes, ele não estava armado e nem tinha envolvimento com o tráfico de drogas. Após levar um tiro no pé, o rapaz foi socorrido por moradores.

Edeson então teria sido reconhecido pelos PMs no hospital, de acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP). Ele está algemado ao leito que ocupa no Hospital Federal de Bonsucesso.

Edeson não tem antecedente criminais, mas a Polícia Civil afirmou que ele já foi detido por tentativa de homicídio e tráfico de drogas. O caso foi registrado na 22ª DP (Penha).

O rapaz ganhou notoriedade após ser aparecer em eventos com a cantora Madonna durante sua visita ao Rio em 2010.

Modelo carcerário brasileiro não diminui criminalidade, avaliam especialistas

Na época, a cantora visitava a Vila Cruzeiro quando se deparou com crianças e adolescentes armados, entre eles Edeson, a serviço do tráfico na comunidade.

A cantora pop convenceu o rapaz, na época apelidado de Baby, a deixar o crime e fazer parte de um projeto social. Edeson passou a integrar o "Soldados Nunca Mais”, que ajuda crianças e jovens da comunidade através do esporte, e começou a jogar futebol.

Leia esta e mais notícias  no site do jornal O Dia .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.