Tamanho do texto

Ele adicionava garotas, começava a conversar e dizia que como "garota da vida" ganhava de R$ 800 a R$ 1 mil por programa

Um homem de 26 anos foi preso pela Polícia Civil após manter perfil falso no Facebook e, através da rede social, atrair adolescentes para a prostituição. Ainda de acordo com a Delegacia de Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Niterói, ele foi pego em flagrante quando se preparava para cometer mais um crime.

X. fingia ser uma prostituta de luxo, mas, na vida real, trabalhava como auxiliar de serviços gerais. Ele adicionava as garotas, começava a conversar com elas e, durante o bate-papo, dizia que como "garota da vida" ganhava de R$ 800 a R$ 1 mil por programa. Garantia ainda que morava na Zona Sul de Niterói e tinha carro bacana.

Leia mais do Meia Hora:

Dona Encrenca mata, esquarteja e desossa o amante

Esfaqueador cheirou, roubou, feriu e foi preso com a vovó

Dama da lotação troca óleo no busão com motorista e cobrador

Ainda segundo os agentes, quando a menina mostrava interesse em se prostituir, o acusado dava o número do telefone dele, que estava registrado no WhatsApp com nome falso de uma mulher que seria a "responsável pelos encontros e pelo pagamento dos mesmos."

A partir daí, ele transava com as vítimas do golpe e dizia que o dinheiro estava com a "mulher que agenciou o encontro". As jovens, obviamente, ficavam a ver navios. Os agentes chegaram até o criminoso após uma adolescente ser adicionada por ele nas redes sociais. Ela contou tudo para a mãe, que na segunda-feira pela manhã procurou a Deam de Niterói. A garota foi auxiliada pelos agentes a se mostrar interessada em fazer o programa e marcou o encontro em frente a um shopping no Centro de município da Região Metropolitana.

Em depoimento, o homem, que mora no Largo da Batalha, em Niterói, contou que foi a primeira vez que encontrou efetivamente uma menina e que fazia isso apenas para obter mais fotos e vídeos íntimos das vítimas. O homem foi autuado pelo crime de favorecimento à prostituição ou exploração sexual de adolescentes. E pode ficar até quatro anos na cadeia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.