Mãe e madrasta foram indiciadas pela morte do garoto de 7 anos
Reprodução
Mãe e madrasta foram indiciadas pela morte do garoto de 7 anos

A Polícia Civil do Rio Grande so Sul indiciou a mãe a madrasta de Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos, morto em Imbé, no litoral do Rio Grande do Sul, pelos crimes de tortura, homicídio e ocultação de cadáver.

A madrasta da criança, Bruna Nathiele Porto da Rosa, de 23 anos, e a mãe do menino, Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, de 26, estão presas após esta última ter confessado que espancou, dopou o filho com um antidepressivo e o colocou numa mala, antes de lançá-lo em um rio da cidade, o Tramandaí, na madrugada do último dia 28 de julho. Yasmin está presa preventivamente, enquando a detenção da madrata é temporária.

Neste sábado, as buscas pelo corpo do menino completaram 10 dias. Segundo a polícia, foram realizadas diligências nos municípios de Torres, Arroio do Sal, Capão da Canoa, Imbé, Tramandaí, Cidreira, Pinhal e Mostardas.

O caso

De acordo com o depoimento de Yasmin à polícia, ela e Bruna saíram da residência com a mala onde estava Miguel e o arremessaram no rio. A madrasta do menino, porém, nega participação no crime e diz que a mãe agiu sozinha. Desde então, o Corpo de Bombeiros faz buscas no Rio Tramandaí pelo menino.

Você viu?

Durante as investigações começaram, a polícia encontrou indícios de que o Miguel era torturado. Na noite desta terça-feira, foram achados cadernos com frases ofensivas que, segundo as investigações, eram copiadas pelo menino: "eu sou um idiota", "não mereço a mamãe que eu tenho", eu sou ladrão", "eu sou ruim" e "eu sou um filho horrível".

Além dos cadernos, a polícia encontrou ainda uma corrente que seria usada para manter a criança presa. As buscas foram feitas em apartamentos onde Miguel morou com Yasmin, no centro de Imbé e no Balneário de Santa Terezinha.

Antes de confessar o crime, a mãe chegou a procurar a polícia, na noite de 29 de julho, para registrar o desaparecimento do menino. A polícia afirma que Yasmin acabou caindo em contradição, o que fez com que os investigadores começassem a desconfiar dela. Depois, ela acabou confessando o crime e teve a prisão decretada pela Justiça.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários