O presidente elogiou o trabalho de Michelle para pessoas deficientes e voltou a criticar a imprensa
Agência Brasil
O presidente elogiou o trabalho de Michelle para pessoas deficientes e voltou a criticar a imprensa

O presidente Jair Bolsonaro disse na manhã deste sábado (15) que n enhum livro será retirado para biblioteca do Palácio do Planalto com a reforma para abrigar uma sala para a primeira-dama Michelle Bolsonaro. O presidente elogiou o trabalho de Michelle para pessoas deficientes e voltou a criticar a imprensa.

Silvio Santos quer programa no SBT para promover Jair Bolsonaro

- Vocês só se preocupam com besteira. Nenhum livro vai embora. Vai ficar tudo lá. A primeira dama faz um trabalho de graça para o Brasil todo. Ao invés de vocês elogiarem vocês criticam? Tenha a santa paciência — disse o presidente, na saída do Palácio da Alvorada.

A tradicional biblioteca da Presidência da República, no anexo I do Palácio do Planalto, está sendo reduzida pela metade para abrigar uma sala da primeira-dama e a equipe do programa Pátria Voluntária , coordenado por Michelle, conforme revelou a coluna de Bela Megale.

ID Estudantil do governo Bolsonaro pode ser emitida somente até amanhã


— Minha esposa faz um trabalho para as pessoas deficientes de graça. Arranjei um lugar para ela trabalhar lá na Presidência porque é melhor, fica mais perto dos ministros para despachar. E a biblioteca teve uma pequena diminuição. Estão descendo a lenha porque a biblioteca vai diminuir. Em vez de elogiar a primeira dama ficam criticando. Quem age dessa maneira merece uma outra banana — disse o presidente quando subiu na lateral do carro, terminando sua fala fazendo o gesto de uma banana.

No sábado passado, o presidente também se irritou com a imprensa e fez um gesto de banana.

Bolsonaro participa na tarde deste sábado da alça de ligação da ponte Rio-Niteroí e de um megaevento da Igreja Internacional da Graça de Deus, na Enseada de Botafogo, no Rio. Fundada e liderada pelo pastor RR Soares, a igreja neopentecostal é a terceira organização religiosa com maior dívida ativa junto à União, com uma dívida de R$ 144,3 milhões aos cofres públicos.

    Veja Também

      Mostrar mais