Tamanho do texto

Em entrevista à "Fox News", presidente eleito afirmou que, a cada semana, democratas criam novas justificativas para derrota de Hillary nas eleições

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, negou neste domingo (11) as acusações de que a Rússia o teria ajudado a vencer as eleições. Em entrevista à rede "Fox News", o republicano disse que esta hipótese é "ridícula". De acordo com informações de jornais dos EUA, as principais agências de segurança do país teriam descoberto intervenções russas nas eleições presidenciais.

LEIA MAIS: Trump diabólico? Internauta descobre 'mensagem subliminar' em capa de revista

"Não acredito nisso, é ridículo", afirmou o magnata durante a entrevista. Neste sábado (10), a CIA anunciou ter chegado à conclusão de que o governo russo, que declarava preferência pelo candidato republicado, ajudou Trump a derrotar a democrata Hillary Clinton nas eleições. Segundo a agência de inteligência dos Estados Unidos, hackers russos invadiram contas e vazaram e-mails e documentos de campanha de Hillary para o site "WikiLeaks".

Trump acusou democratas de mentirem sobre conclusões da CIA e usarem interferência como justificativa para derrota
Twitter/Reprodução
Trump acusou democratas de mentirem sobre conclusões da CIA e usarem interferência como justificativa para derrota


LEIA MAIS: Para CIA e FBI, "Rússia teria agido nos EUA para promover vitória de Trump"

De acordo com "The New York Times", os hackers tiveram acesso às contas de e-mail do Comitê Nacional Democrata e do presidente da campanha de Hillary, John Podesta. O jornal "Washington Post" citou um oficial do governo dos EUA para afirmar que "a análise das agências de inteligência é de que o objetivo da Rússia era favorecer um candidato sobre o outro e ajudar na vitória de Trump".

Durante a entrevista, o republicano acusou os democratas de mentirem sobre as conclusões da CIA e usarem a acusação de interferência russa para justificar a derrota de Hillary, considerada favorita durante as campanhas eleitorais. "A cada semana é uma nova desculpa. Tivemos uma vitória com uma ampla maioria de votos no Colégio Eleitoral".

LEIA MAIS: "Namoro" instável de Trump e Putin coloca em risco alianças globais

Trump também afirmou que "não se opõe" à decisão de Barack Obama, de apurar os ataques cibernéticos, mas disse que o atual presidente "não deve investigar somente a Rússia, e sim, outros países e indivíduos". De acordo com a Casa Branca, o relatório mais detalhado sobre os ataques deve ser concluído até o fim do mandato de Obama.

* Com informações da Ansa e da BBC.

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.