Tamanho do texto

Enem 2016 teve 30% de abstenção, sendo que mais de 8 milhões de pessoas se inscreveram para a prova no ano. O índice representa alta de 2,4 pontos percentuais na comparação com 2015, quando a abstenção foi de 27,6%

Presidente do Inep, Maria Inês Fini, afirmou que o Enem de 2016 correu de forma tranquila.
Reprodução/MEC
Presidente do Inep, Maria Inês Fini, afirmou que o Enem de 2016 correu de forma tranquila.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em entrevista coletiva na noite deste domingo (6), afirmou que o balanço do Enem 2016 foi um grande sucesso.  Apesar de registros de incidentes com alunos usando pontos eletrônicos e até mesmo celulares dentro das salas em que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) era aplicado, a prova ocorreu sem grandes problemas pelo País.

+ PF deflagra operações de combate a fraudes no Enem 2016

Segundo a presidente do Inep, Maria Inês Fini, o balanco do Enem 2016 registrou 30% de abstenção, sendo que mais de 8 milhões de pessoas se inscreveram para a prova neste ano.  O índice representa alta de 2,4 pontos percentuais na comparação com 2015, quando a abstenção foi de 27,6%. “O índice mostrou estabilidade com 2015”, disse. Amazonas foi o local com maior índice de abstenção, enquanto o Piauí registrou o menor índice. Além disso, dos 8 milhões de inscritos, quase 5 milhões são mulheres.

Eliminação

“Este ano 768 alunos foram eliminados. As eliminações ocorreram devido ao descumprimento das regras da prova, pela detecção de metal e pela recusa do cadastramento da biometria”, disse Maria Inês.

Detalhando os números, no primeiro dia foram 454 eliminações pelo descumprimento das regras do Enem; 106 pela constatação de aparelhos eletrônicos e sete por recusa do cadastro na biometria. No segundo dia de prova 187 candidatos foram eliminados por não cumprir as normas do exame e 14 pela presença de aparelhos não autorizados, somando os 768 alunos em todo País.

Ainda segundo o balanço divulgado pela presidente do Inep, outras ocorrências também fizeram parte dos dois dias de provas do Enem 2016. “Tivemos três emergências médicas no primeiro dia de prova e duas no segundo”.  Maria Inês disse ainda que houveram  27 ocorrências envolvendo a falta ou o corte de energia em locais em que provas estavam sendo aplicadas.

+ Na saída do Enem, estudantes elogiam tema da redação e reclamam do cansaço

Maria Inês reafirmou ainda que, em dezembro, 271 mil alunos farão a prova do Enem, já que os locais onde fariam as provas estavam ocupados por estudantes contrários à reforma do ensino médio e à PEC que reduz os investimentos em educação.  

O Ministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou durante a coletiva que o Enem 2016 foi um sucesso. “Diante do quadro dos últimos dias, posso dizer que foi um sucesso absoluto”, disse ele.

O Ministro voltou a mencionar os casos em que locais listados como ocupados aplicaram a prova do Enem: “Foi um pequeno desencontro de informação”. Ele reafirmou que os alunos não serão prejudicados pela falha e ainda fez questão de elogiar a equipe de tecnologia do Inep e do Ministério da Educação (MEC) por todo esforço empregado nas duas últimas semanas. “Trabalhamos até de madrugada para conseguir informar todos os alunos, enviar os e-mails e a mensagem de texto para não prejudicar ninguém”, afirmo Filho.

O Ministro Mendonça Filho prestou solidariedade aos 271 mil alunos que não puderam realizar o Enem neste final de semana. “Quero prestar a minha solidariedade aos que não puderam fazer o Enem,  neste final de semana. Não foi fácil estar deste lado da mesa e liderar um processo como esse. Adiar foi a solução encontrada”, concluiu o Ministro.

Reforma do ensino médio

Mendonça Filho reafirmou durante a coletiva de imprensa neste domingo (6) a necessidade da reforma do ensino médio. “Eu defendo a urgência na reforma do ensino médio. O que posso afirmar que é que o governo vai manter a MP (Medida Provisória) no Congresso e acredito que ela seja votada até dezembro”, disse ele.

Ainda duranre o balanço do Enem 2016 o custo da realização da prova em dezembro, Filho disse que o custo será um pouco maior que os R$ 12 milhões previstos na semana passada. “Pode chegar a R$ 15 milhões, mas não posso confirmar ainda”.

+ Interpretação de texto dominou prova; professores comentam questões


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.