Tamanho do texto

O presidente do Senado, Renan Calheiros, disse que o confronto entre senadores não ajuda a esclarecer o processo. A sessão é conduzida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

Agência Brasil

Mesa do Senado Federal durante sessão para o julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff
Edilson Rodrigues/Agência Senado - 25.8.16
Mesa do Senado Federal durante sessão para o julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff


O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) disse hoje (25) que o primeiro dia do julgamento do processo de impeachment da presidenta afastada, Dilma Rousseff, que o clima refletiu o clima de “confronto político” entre senadores apoiadores e contrários ao processo.

Renan falou com jornalistas um pouco antes do final do depoimento do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU), Antônio Carlos Costa D'Ávila, e disse que o primeiro dia foi “longo, enfadonho e cansativo”. "O primeiro dia sempre é mais tenso, conturbado, as partes conflitam mais nos pontos de vista", disse.

LEIA MAIS: Aliados de Temer prometem contra-ataque para derrubar testemunhas de defesa

Segundo o senador, o confronto não ajuda a esclarecer o processo. "Meramente transformar a sessão de julgamento em confronto político pouco acrescentará ao processo. Era fundamental mais objetividade, tanto de quem vai perguntar quanto de quem vai responder. Os senadores terão um dia todo para debater, cada um falará por até dez minutos", disse.

A sessão é conduzida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. O peemedebista disse que o clima pede que se aja com prudência. “Sou presidente do Senado. É prudente me conduzir com isenção, equilíbrio e responsabilidade. Mesmo se eu já tivesse me decidido, e ainda não fiz, eu teria que me portar com prudência", disse Renan.

LEIA MAIS: Quais as armas de Dilma e Temer na etapa final do impeachment?

O presidente do Senado também informou que reservou vinte lugares para "convidados " de Dilma Rousseff, que depõe no Senado nesta segunda-feira (29).

    Leia tudo sobre: impeachment

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.