Zeca espera que PT-MS avalie conduta de Delcídio

Candidato derrotado quer que legenda tome posição sobre suposto apoio de senador reeleito a Puccinelli

Marcello Sigwalt, iG Brasília |

Candidato derrotado por André Puccinelli (PMDB) nas urnas no primeiro turno, José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT quer que o partido julgue a conduta do senador reeleito Delcídio do Amaral (PT).

O motivo seria o apoio indireto, segundo Zeca, de Amaral ao governador peemedebista, reeleito no início do mês.

O ex-governador, que votou no Colégio Osvaldo Cruz, em Campo Grande, mantém a expectativa de que o PT local avalie o comportamento de Delcídio e de prefeitos petistas que teriam seguido o mesmo caminho.

A avaliação petista sobre o comportamento de seus quadros deverá se estender, ainda, aos chefes de órgãos federais no Estado.

Com a confirmação da vitória de Dilma à Presidência da República, Zeca adianta não ter a pretensão por cargos federais.

Confiança

Paralelamente às declarações abrasivas do colega Zeca, Delcídio votou pela manhã em Corumbá, afirmando estar confiante na vitória de Dilma no pleito presidencial.

Assim como Zeca, Delcídio rejeitou, a princípio, assumir um cargo no primeiro escalão do governo Dilma. 

O senador reeleito lembrou ter recebido “mais de 826 mil votos”, o que corresponderia a mais ou menos, pelas suas contas, "a dois terços dos votos dos eleitores de MS".

“Eles (eleitores) votaram para que eu fosse senador e não ministro”, declarou Delcídio a respeito da possibilidade de assumir o Ministério das Minas e Energia (MME).

O senador sul-mato-grossense fez uma auto-crítica do PT.

Segundo ele, o partido cometeu o erro estratégico de subestimar o potencial da candidatura de Marina Silva (PV), o que obrigou a realização de um segundo turno e novo enfrentamento entre Dilma e o tucano José Serra.

“Podíamos ter liquidado essa fatura no primeiro turno”, concluiu.

Das 5.145 urnas eletrônicas usadas no segundo turno em Mato Grosso do Sul, 27 apresentaram problemas e 23 tiveram que ser substituídas.

Os problemas registrados nas urnas que não foram substituídas foram solucionados pelos próprios mesários, de acordo com a assessoria de imprensa do TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral).

Com informações do TRE-MS

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG