Veja a cronologia dos fatos que envolveram o caso do Airbus A330 da Air France

Oito dias após o desaparecimento do voo 447 da Air France, que decolou do Rio rumo a Paris na noite de 31 de maio, ainda existe um mistério sobre o que poderia ter acontecido com o avião que levava 228 pessoas. A divulgação de informações por parte dos governos brasileiro e francês também é repleta de reviravoltas. Acompanhe abaixo a cronologia dos fatos que envolvem o acidente.

Paola de Moura, especial para o Último Segundo |


31/05

19h03 - O voo 447 da Air France decola do Rio de Janeiro com destino a Paris. A aeronave, um Airbus A330-200, levava 12 tripulantes e 216 passageiros e deveria pousar no aeroporto Charles De Gaulle por volta de 11h10 (horário local).

22h33 - O piloto faz o último contato com o Cindacta 3, em Recife. O avião está a 565 km de Natal, no Rio Grande do Norte (posição INTOL) e está prestes a sair do campo de alcance de radar. O piloto informa que entraria no espaço aéreo de Dakar, no Senegal, a 1.228 km de Natal (posição TASIL),  por volta de 23h20.

22h48 - A aeronave sai da cobertura do Cindacta 3, na altura de Fernando de Noronha. As informações indicam que a aeronave voa normalmente a 35.000 pés (11 km) de altitude e a uma velocidade de 453 KT (840 km/h).

23h - A aeronave atravessa uma zona de tempestade com fortes turbulências.

23h10 - O computador de bordo do avião envia a primeira mensagem automática indicando que o piloto automático foi desconectado. Outra mensagem informa que o sistema de comando por computador das superfícies móveis do A330 passou para o regime "alternative law". Isso significa que um regime de potência elétrica foi acionado automaticamente pelo avião por haver múltiplas falhas nos provedores de eletricidade. Um alarme é ligado.

Reprodução
Airbus da Air France
Airbus da Air France

23h12 - Chegam mensagens automáticas de falhas em dois equipamentos fundamentais: "Adiru" e "Isis". Eles auxiliam com dados sobre velocidade, altitude e direção.

23h13 - Alertas indicam falhas elétricas nos sistemas PRIM1 e SEC1 , que auxiliam o computador principal e o comando os spoilers, partes móveis das asas que mantém a estabilidade da aeronave e auxiliam na subida e descida. Há equipamentos que podem suprir essa falha no Airbus, mas aparentemente eles não funcionaram.

23h14 - A equipe recebe a última mensagem indicando perda de pressurização na cabine, ou seja, entrada de ar do exterior no avião.

23h20 - O avião não efetua o contato rádio previsto com o Cindacta 3. A informação é repassada ao controle de Dakar, que inicia a busca por rádio da aeronave.

Voo 447 da Air France


01/06

2h30   -  O Salvaero de Recife aciona a Força Aérea Brasileira . Uma aeronave C-130 Hércules, um  P-95 Bandeirante de patrulha marítima e o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento dão início às buscas do Airbus.

8h30 - A Air France informa ao Cindacta 3, que a aproximadamente 100 km da posição TASIL, o voo AF 447 enviou uma mensagem para a companhia alertando para  problemas técnicos na aeronave (perda de pressurização e falha no sistema elétrico).

Divulgação
FAB procura destroços do Airbus
FAB procura destroços do Airbus
Neste dia, a Air France repassa ao Bureau de Investigação e Análises para a Segurança de Aviação Civil, organismo responsavél na França pelas investigações técnicas sobre acidentes e incidentes da aviação civil, e para a Airbus os dados  que tem em seu poder após o desaparecimento do voo AF 447.

À tarde, as buscas se intensificam. A Aeronáutica desloca mais aeronaves para Natal e Fernando de Noronha: três Hercules (C-130), um helicóptero Blackhawk (H-60), um Bandeirante SR (SC-95), uma aeronave Amazonas (SC-105) de busca e resgate, outro Super Puma (H-34). A Marinha envia o navio patrulha Grajaú, a Fragata "Constituição" e a Corveta "Caboclo".

02/06

A Aeronáutica informa que uma aeronave da TAM comunicou ter vistos "pontos luminosos" sobre o mar na rota inversa do voo AF 447, ainda no espaço aéreo de Dakar, no Senegal.

No entanto, o  navio mercante Douce France realiza  busca na área informada pelo avião da TAM, sem identificar qualquer vestígio do voo 447.

Por volta de 9h20, a Aeronáutica informa que a aeronave R-99 6751, que utiliza radares, identificou, por volta de 1h, materiais metálicos e não metálicos flutuando no oceano . As posições dos objetos foram marcadas por coordenadas geográficas.

A busca é replanejada e concentrada a aproximadamente 650 km a nordeste de Fernando de Noronha-PE.

A aeronáutica comunica que a tripulação do Hércules C-130 avistou, por volta de 6h49, materiais em dois pontos distantes cerca de 60 quilômetros. Dentre eles, uma poltrona de avião, pequenos pedaços brancos, uma bóia laranja, um tambor, além de vestígios de óleo e querosene.

Às 12h20, a cerca de 700 km a nordeste de Fernando de Noronha, são localizados mais destroços (peças brancas e fiação) e manchas de óleo dispersas em linha por cerca de 5 km.

Divulgação
FAB procura destroços de Aribus A330
FAB procura destroços de Aribus A330
Dois investigadores do Bureau de Investigação e Análises para a Segurança de Aviação Civil (BEA, na sigla em francês) chegam ao Brasil para participar das buscas em coordenação com o Centro Nacional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirma que os destroços visualizados pelas equipes da Aeronáutica são da aeronave da Air France . "Não há a menor dúvida que os destroços são do avião da Air France", afirma.

03/06

Uma aeronave R-99  identifica, às 3h40 (horário de Brasília), mais quatro pontos de destroços , a 90 km ao sul da região inicialmente coberta pelas aeronaves da FAB. Há vários objetos espalhados numa área circular de 5 km de raio; um objeto de 7m de diâmetro; dez objetos, sendo alguns metálicos; e outra mancha de óleo com extensão de 20 km.

A revista "Time" divulga reportagem revelando que um avião A330 da companhia australiana Qantas fez um mergulho que durou 20 segundos. O incidente ocorreu em outubro do ano passado. Após a terceira hora de voo, o piloto automático da aeronave sofreu uma pane e fez com que o avião mergulhasse abruptamente. O piloto conseguiu retomar o controle da aeronave e fez um pouso de emergência. Mais de 100 pessoas ficaram feridas. Naquele dia, o tempo estava bom.

A Air France informa ter recebido uma ameaça de bomba no último dia 27 de um voo que seguia de Buenos Aires para Paris. Após checagem, descobriu-se que era uma ameaça falsa e o avião pode seguir seu destino.

Os aviões militares completam uma área de cobertura equivalente a
176.984,37 km², o que corresponde a cerca de duas vezes o estado de Pernambuco. Os militares continuam a informar terem avistado destroços.

Só neste dia chegam às áreas dois navios da Marinha: o Grajaú e o Caboclo.

Nelson Jobim afirma que a existência de manchas de óleo no oceano deixadas pelo avião da Air France  pode descartar a possibilidade de explosão da aeronave .


04/06

O BEA afirma que o avião estava em perfeitas condições técnicas antes de decolar.

A Aeronáutica volta a comunicar ter visualizado mais destroços. A tripulação do R-99 identificou novos pontos de destroços à sudoeste dos penedos de São Pedro e São Paulo.

O Comando da Aeronáutica informa que a Fragata Constituição resgatou por volta das 13h um suporte utilizado para acomodação de cargas em aviões (Pallet), de aproximadamente 2,5 m2, e duas bóias.

No fim do dia, no entanto, a Aeronáutica informa que o suporte não pertencia ao voo AF 447 e que a mancha no mar não era querosene de aviação e sim óleo de navio.

05/06

O jornal "Le Monde" publica reportagem informando que o avião da Air France viajava a uma velocidade incorreta antes do acidente.

Divulgação
Área de buscas nesta sexta-feira
O jornal espanhol "El Mundo" também traz reportagem sobre o acidente informando que um piloto da companhia espanhola Air Comet, que fazia o trajeto Lima Madri, informou em relatório ter visto um "clarão forte e intenso de luz branca, em trajetória descendente e vertical" na mesma noite e rota em que o Airbus A330 desaparaeceu. Segundo o jornal, o co-piloto e uma passageira também teriam visto o clarão.

A Airbus envia às companhias que utilizam todos os tipos de aviões
Airbus, e não apenas o A330, um documento para lembrar das
recomendações que elas devem seguir quando ocorrer um caso de incoerência no registro de velocidades de voo  como o que teria ocorrido com a aeronave do voo 447. Segundo o BEA, que autorizou a recomendação, é apenas uma precaução.

No comunicado, a Airbus confirma que o A330 enfrentava turbulências extremas, que enviou várias mensagens de falhas ao centro de manutenção da Air France e que havia uma incoerência das velocidades medidas pelos instrumentos da aeronave.

O ministro francês da Defesa, Hervé Morink, informa que a hipótese de um ataque terrorista não está descartada.

A companhia espanhola Iberia divulga que um de seus aviões que seguia a apenas 10 minutos de distância do voo 477 desviou seu trajeto para evitar a tempestade que pode ter causado a turbulência e a queda do Airbus da Air France.  Avisado das circunstâncias meteorológicas que encontraria durante o vôo, o piloto solicitou mais combustível para fazer o desvio. Após o desvio, o piloto informou não registrar mais em seu radar o avião da Air France.

O tribunal de Paris abre uma investigação por "homicídio involuntário"
em relação ao desaparecimento do avião da Air France.

Uma missa em homenagem aos passageiros do voo reúne 150 pessoas no centro do Rio de Janeiro no início da noite, na igreja de Nossa Senhora do Carmo.

06/06

Representantes do Centro de Investigações e Análises de Acidentes Aéreos da França (BEA, na sigla em francês) afirmam que o Airbus emitiu 24 mensagens automáticas de erros nos sistemas em quatro minutos, antes de desaparecer dos radares.

Destas, 14 foram transmitidas logo no primeiro minuto, entre 23h10m e 23h11m, no horário de Brasília. Os sinais teriam acusado a inoperância do piloto automático, que poderia ter sido desligado pelos pilotos ou automaticamente, por perda de velocidade.

No Brasil, a Aeronáutica e a Marinha anunciam ter resgatados os primeiros dois corpos de pessoas que estavam a bordo da aeronave, além de peças e destroços. Os corpos foram identificados como sendo do sexo masculino.

07/06

Pela manhã, a Aeronáutica e a Marinha anunciam o resgate de mais três corpos. À tarde são divulgadas imagens de destroços encontrados pelas equipes de busca, entre elas uma parte do avião em que se lê o nome da companhia Air France.

Em coletiva de imprensa realizada à noite, a Aeronáutica e a Marinha anunciam ter encontrado mais 12 corpos, elevando para 17 o total de corpos resgatados.

08/06

O diretor-operacional da Airbus, John Leahy, afirma que o A330 é uma aeronave "muito confiável" e se recusa a comentar possível motivos do acidente com o voo 447, preferindo esperar a continuação das investigações.

Na França, o sindicato de pilotos da Air France disse ter pedido a seus associados que não voem enquanto a companhia não trocar os sensores de velocidade dos Aibus A330 e A340, dispositivos considerados uma das possíveis causas do acidente.

Em coletiva de imprensa, a Marinha e a Aeronáutica retificam informação dada no dia anterior, sobre terem resgatado 17 corpos. Segundo as equipes de busca, a Fragata Ventose, da Marinha Francesa, recolheu sete e não oito corpos, totalizando 16. Além disso, foram divulgadas imagens da cauda do avião, também encontrada.

No início da noite, as equipes de busca informaram ter encontrado mais oito corpos, elevando para 24 o total de resgatados.

Ainda nesta segunda-feira, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, falou sobre o desencontro de informações a respeito dos destroços encontrados na terça-feira (02/06). Ele negou ter se precipitado ao dizer que os destroços eram do avião e afirmou que optou "pela angústia das famílias" ao fazer o anúncio.

09/06

Reuters
Corpos chegam a Fernando de Noronha
Corpo é transportado
Pela manhã, os corpos de 16 pessoas que estavam a bordo do avião da Air France chegam a Fernando de Noronha, para depois serem levados a Recife para identificação.

A Marinha e a Aeronáutica anunciam o resgate de mais quatro corpos, elevando o total para 28. À noite, as equipes de busca informam que mais 13 corpos foram retirados do mar, de modo que o total passa para 41.

A Air France apresenta um calendário de substituição "em alguns dias" das sondas de controle de velocidade dos Airbus A330 e A340, de acordo com o principal sindicato de pilotos da companhia. Uma fonte sindical informou, ainda, que todas as aeronaves destes dois modelos voarão com pelo menos duas novas sondas.

Uma determinação judicial, com base no inquérito instaurado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, determina que as companhias aéreas TAM e Air France têm seis meses, contados a partir da terça-feira (09/06) para substituir os sensores de velocidade de seus aviões.

10/06

A Marinha e a Aeronáutica informam que as buscas pelas vítimas do voo 447 serão ampliadas, entrando em águas internacionais sob a jurisdição do Senegal. O motivo da ampliação é o fato de as correntes marítimas estarem se dirigindo para o Norte. Segundo o brigadeiro Ramon Cardoso, diretor do Departamento do Espaço Aéreo da FAB, as buscas por corpos se estenderão até o dia 19 de junho, pelo menos.

Na França, o site do semanário l'Express afirma que dois passageiros do voo 447 teriam nomes "correspondentes a pessoas conhecidas por sua ligação com o terrorismo islâmico", segundo serviços de informação do país. No entanto, a polícia divulga que, após estudar o nome das pessoas a bordo, descartou a "pista" por se tratar de uma "simples homonímia".

Os primeiros 16 corpos resgatados no oceano chegam ao Recife  para que seja feita a finalização da identificação.

11/06

Dois aviões Airbus fizeram pousos de emergência devido a problemas técnicos nas primeiras horas desta quinta-feira, elevando a quatro o número de incidentes envolvendo aeronaves da empresa nos últimos três dias .

A Marinha e da Aeronáutica confirmaram que foi concluída a transferência dos 25 corpos que estavam na Fragata Bosísio, para Fernando de Noronha, onde passam por perícias preliminares.

Teve início às 14h50 no Instituto Médico Legal (IML) do Recife a perícia dos 16 corpos de vítimas do Airbus 330 que chegaram à capital pernambucana. 

O Comando da Marinha e o Comando da Aeronáutica confirmaram o resgate de mais três corpos de vítimas do acidente com o voo 447 da Air France. Com isso, chega a 44 o total de corpos encontrados .

12/06

A Marinha e a Aeronáutica informaram que novos destroços do airbus foram avistados. As imagens de algumas das 37 peças dos destroços do voo 447 encontradas pelas equipes de buscas também foram divulgadas.

Dois familiares estiveram no Instituto Médico Legal do Recife, mas não puderam entrar. A PF informou que os dois não terão acesso aos corpos porque não há indício de que eles são de seus parentes. Os corpos estariam irreconhecíveis e sofreram ação de animais marinhos, segundo informações da assessoria de imprensa da PF.

Segundo os Comandos da Marinha e da Aeronáutica, mais seis corpos de vítimas do voo 447 estariam a bordo de um navio francês. A informação ainda não foi confirmada pois os corpos não estão em poder das autoridades brasileiras.

13/06

Os 21 corpos de vítimas do voo 447 chegaram ao Instituto de Medicina Legal (IML). Eles foram transportados em três caminhões da Polícia Científica, escoltados por quatro viaturas da Polícia Civil e batedores do BPTran. 

O mau tempo impediu os trabalhos de buscas de corpos e destroços do acidente. Segundo os Comandos da Aeronáutica e da Marinha as aeronaves não sobrevoaram as áreas de buscas por conta das más condições climáticas.

14/06

Os comandos da Marinha e da Aeronáutica confirmaram que chega a 49 o número de corpos de vítimas do voo 447 da Air France recolhidos nas áreas de buscas do acidente.

Nesta tarde, o embaixador Frances Pierre-Jean Vandoorne se reuniu com os Comandos da Marinha e da Aeronáutica e elogiou os trabalhos de buscas. Segundo ele, o empenho da equipe brasileira mostra as boas relações entre Brasil e França.

15/06

Os comandos da Marinha e da Aeronáutica confirmam que são 49 os corpos resgatados, já que, após a pré-identificação, o Instituto Médico Legal do Recife constatou que um deles não apresentava tecido humano, mas de animal marinho de grande porte, possivelmente eviscerado por alguma embarcação de pesca e atirado ao mar. As equipes de busca também informam terem avistado mais destroços do Airbus em uma área a 850 quilômetros de Fernando de Noronha.

Em discurso em Genebra, o presidente Lula diz que seu colega francês, Nicolas Sarkozy, prometeu indenizar todas as famílias das vítimas do acidente. No entanto, o governo francês nega ter assumido esse compromisso . A Presidência da República da França, por meio de sua assessoria de imprensa, afirma que o pagamento será de responsabilidade da companhia aérea, e não do governo francês.

16/06

Um corpo é avistado e recolhido pela equipe de busca pela manhã, elevando o total de corpos resgatados para 50 . Desde o dia 12 de junho, novos corpos não eram encontrados.

A seguradora francesa Axa anuncia que algumas das famílias de vítimas dos voo 447 já começaram a receber um adiantamento das indenizações pelo acidente , sem divulgar mais detalhes.

17/06

Paul-Louis Arslanian, diretor do Escritório de Pesquisa e Análise Francês, diz que a investigação do acidente da Air France " está se aproximando do objetivo ". Segundo os investigadores, cerca de 400 restos da aeronave foram encontrados, mas não as caixas-pretas.

Arlanian diz, ainda, que um patologista francês enviado ao Brasil não foi autorizado a participar das autópsias dos corpos recuperados e que a França não teve acesso aos resultados.

No Brasil, a Marinha e a Aeronáutica informam que novos despojos foram recolhidos por um navio francês . Segundo o tenente-coronel Henry Wilson Munhoz Wender, da Aeronáutica, o material é tratado como despojo por se tratar de fragmentos de corpos de vítimas. Destroços e bagagens também estão sendo recolhidos na região, de acordo com a equipe de busca.

18/06

Os comandos da Marinha e da Aeronáutica informam que mais despojos foram encontrados e que as operações de busca podem continuar por tempo indeterminado.

Segundo o tenente-coronel Henry Munhoz, do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, os resultados dos últimos três dias confirmaram os prognósticos iniciais de que seria possível encontrar corpos até pelo menos 20 dias após o acidente, ocorrido na noite do último dia 31. "Enquanto continuarmos encontrando despojos, as buscas vão continuar", afirmou.

Na França, Gérard Larcher, presidente do Seando diz que o Parlamento vai fiscalizar e garantir o pagamento de indenizações às famílias das vítimas do acidente, independente de suas nacionalidades. Em visita ao Rio, Larcher disse que o cumprimento dos direitos dos familiares é uma prioridade para a França.

Entenda

Dor das famílias

Vídeos

Fotos

Leia também

    Leia tudo sobre: acidente aéreo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG