Instituto Médico Legal de Recife cria força tarefa para identificar corpos de vítimas

RECIFE - A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco garante que o Instituto Médico Legal (IML) de Recife está preparado para receber os corpos das vítimas do acidente do voo 447 da Air France. Uma força tarefa foi criada para tentar agilizar os trabalhos de identificação das vítimas do acidente tão logo os corpos cheguem à capital do Estado. Um plano de crise foi elaborado com base em três diferentes cenários, montados a partir da quantidade hipotética de corpos resgatados.

Redação com Agência Brasil |

Os comandos da Marinha e da Aeronáutica anunciaram neste domingo o resgate de mais 11 corpos de vítimas. Com isso, chega a 16 o número de corpos resgatados pelas equipes de buscas .

A busca e o resgate dos corpos é responsabilidade das Forças Armadas brasileiras, a investigação das causas do acidente compete a autoridades francesas e a identificação dos corpos será feita pela Polícia Civil de Pernambuco em conjunto com a Polícia Federal. Nesta segunda-feira, o presidente Lula disse que o governo brasileiro fará todos os esforços para que sejam encontrados os corpos de passageiros e tripulantes que estavam a bordo do voo AF 447.

Segundo a assessoria da secretaria, se os 228 corpos forem levados ao IML, um local alternativo à sede do instituto será montado para abrigar as equipes técnicas ou os serviços do IML que não estejam ligados à identificação das vítimas do voo 447 serão transferidos para hospitais públicos da região. A secretaria garante que qualquer que seja a solução, não irá afetar a rotina do órgão.

Além de contar com 329 papiloscopistas, 105 médico legistas e 167 peritos, o instituto recebeu o reforço de oito policiais federais especialistas na identificação de corpos. Cinco deles são de Brasília e três de Recife. A princípio, foi definido que, caso seja necessário recorrer a exames de reconhecimento por DNA, eles serão realizados pela PF.

Um médico, um auxiliar legista, um perito criminal e um datiloscopista já estão em Fernando de Noronha, para onde os corpos já resgatados estão sendo levados. Na ilha, os técnicos coletarão material que possa auxiliar no reconhecimento das vítimas. Estes indícios serão enviados a Recife, onde o trabalho será concluído.

Em nota divulgada na quarta-feira (3), o secretário de Defesa Social, Servilho Paiva, não descartou a hipótese de Pernambuco pedir a ajuda de outros Estados e, principalmente, de embaixadas dos países de origem de vários passageiros. Entre as 228 pessoas que viajavam  no Airbus A 330, havia passageiros de 32 diferentes nacionalidades.

Desde domingo, um cerco de policiais civis isola parte da rua onde funciona o IML, no bairro de Santo Amaro, impedindo que populares e até mesmo os jornalistas se aproximem do local. Como a primeira embarcação da Marinha brasileira, a fragata Constituição, só deve chegar a Fernando de Noronha nesta terça-feira (9), a quantidade de curiosos presentes ao local era pequena na tarde deste domingo (7), a maioria, moradores das proximidades do IML.

Demandas internas de Recife

A sala de necropsia do IML no Recife está interditada para receber os corpos encontrados do voo 447 da Air Fance. De acordo com funcionários do instituto que não quiseram ser identificados, corpos que estavam na sala foram transferidos, desde do último domingo, para a área chamada Coreia, destinada a cadáveres em adiantado estado de decomposição.

O gerente geral de Polícia Científica, Francisco Sarmento, afirmou em nota que o IML está realizando as necropsias diárias. Ele informa ainda que está havendo uma adequação da sala de necropsias para o recebimento dos corpos em estado de putrefação. "Esta é uma operação dinâmica, por isso a necessidade da adequação para o atendimento", diz a nota.

A Secretaria de Defesa Social definiu três planos para atendimento. O primeiro no caso de ser encontrado uma quantidade pequena de corpos ou fragmentos de corpos. O segundo numa situação mediana de localização desses corpos e o terceiro numa situação extrema de encontrar mais de 150 corpos e fragmentos de corpos, quando seria feito o isolamento do Instituto de Medicina Legal do Recife. A rotina diária do IML seria realizada em hospitais públicos, a exemplo do Hospital da Polícia Militar.

Movimento nos arredores do IML

Por causa da interdição das ruas no entorno do IML, em Santo Amaro, Zona Central do Recife, os estabelecimentos funerários que ficam em frente ao instituto reclamam do fraco movimento. De acordo com um funcionário que não quis ser identificado, o bloqueio  atrapalha o acesso às funerárias, visto que só podem trafegar na via veículos oficiais.

Nesta segunda-feira, está marcada uma missa às 20h, na Ilha de Fernando de Noronha em memória das vítimas.

(*Com reportagem de Socorro Macedo, especial para o Último Segundo)

Entenda

Dor das famílias

Vídeos

Fotos

Leia também

    Leia tudo sobre: acidente aéreo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG