FAB encontra mais partes do avião da Air France; Marinha ainda não vê destroços

RIO DE JANEIRO - A Força Aérea Brasileira encontrou nesta quinta-feira mais destroços do avião da Air France que caiu no Atlântico com 228 pessoas a bordo, mas ainda não há sinal de corpos, informou a FAB. A Marinha afirmou também nesta quinta que a fragata Constituição foi o terceiro navio militar a chegar ao local das buscas, a 1.100 quilômetros a nordeste de Natal, mas as embarcações ainda não visualizaram os destroços.

Redação com agências |

Nesta quinta-feira, o brigadeiro Ramon Borges Cardoso, diretor do Departamento de Controle do Espaço Aéreo, afirmou que não há previsão para o término das buscas pelos destroços do avião da Air France.

Divulgação
Avião da Força Aérea Brasileira sobrevoa área onde foram encontrados destroços

Um avião R-99 equipado com radar identificou durante a madrugada mais objetos em três pontos distintos do mar a sudoeste dos Penedos de São Pedro e São Paulo.

Aviões Hércules da FAB decolaram posteriormente para tentar visualizar os destroços, informou o Centro de Comunicação da Aeronáutica.

"Os destroços foram identificados dentro daquela região onde se concentram as buscas. Entre os objetos, um era maior", disse à Reuters um oficial do centro de comunicação da FAB sem dar maiores detalhes, uma vez que as famílias sempre são avisadas primeiro sobre o andamento das buscas.

Perguntado se os aviões haviam avistado corpos, o oficial respondeu: "Por enquanto nenhum sinal."

Veja no infográfico a rota do airbus Voo 447 da Air France

De acordo com a aeronáutica, ainda durante a madrugada, outras cinco aeronaves militares decolaram de Natal com o destino às áreas de buscas, sendo três C-130 Hérecules da FAB, um P-3 Oreon da Força arérea dos EUA e um Falcon 50 Francês.

Pela primeira vez durante a operação, o helicóptero H-60 Black Hawk baseado em Fernando de Noronha participa das missões de busca, a 110 km a nordeste doeste arquipélago.

No total, 11 aeronaves estão mobilizadas na base aérea de Natal e em Fernando de Noronha para o trabalho de busca . Os aviões engajados nas buscas irão coordenar o direcionamentro de dois navios da Marinha do Brasil para garantir a aproximação e possível coleta de destroços.

Além dos destroços, as aeronaves da FAB que estão sobrevoando a região desde segunda-feira já avistaram extensas manchas de óleo no mar, o que segundo o ministro da Defesa, Nelson Jobim, pode excluir a possibilidade de explosão do Airbus que decolou do Rio no domingo com destino a Paris e fez seu último contato quatro horas depois, após passar por forte turbulência.

Divulgação
Mancha de óleo no provável local da queda do avião


Entre as partes encontradas no mar na quarta-feira estava uma peça com 7 metros de diâmetro que, segundo a FAB, seria da fuselagem do Airbus A330. Também já foram avistados um assento de avião, pequenos pedaços brancos e uma boia laranja.

Os três navios brasileiros que estão na região - a patrulha Grajaú, a corveta Caboclo e a fragata Constituição -, serão responsáveis por transportar os destroços para o território brasileiro, ainda não avistaram as peças identificadas pela FAB. As buscas se realizam num raio de 200 quilômetros.

De acordo com a agência francesa responsável pela investigação das causas do acidente, o desastre pode permanecer um mistério, já que são remotas as chances de se encontrar as caixas-pretas no fundo do mar.

As possíveis explicações para o desaparecimento do avião continuam dividindo especialistas em aviação , que levantam diferentes hipóteses ou não descartam nenhuma delas, na tentativa de justificar a pane elétrica do avião, reportada à companhia por meio de mensagens automáticas.

"A única informação nova é a chegada da fragata Constituição, que está equipada com um helicóptero, o que aumenta a nossa capacidade de busca", disse à Reuters o capitão-tenente Henrique Afonso, do 3o Distrito Naval.

Um navio francês equipado com um submarino não-tripulado que pode explorar a até 6 mil metros de profundidade também está a caminho do local.

De acordo com a Marinha, dois navios mercantes também estão na região --um holandês e um francês-- e ajudam na operação. Um terceiro navio mercante que estava no local pediu para deixar a área por falta de combustível.

O voo AF 447 tinha 216 passageiros de 32 nacionalidades, incluindo sete crianças e um bebê. Segundo a Air France, 61 eram franceses, 58 brasileiros e 26 alemães. Dos 12 tripulantes, um era brasileiro e os demais franceses. Veja a lista oficial de passageiros brasileiros divulgada pela Air France .

Entenda

Dor das famílias

Vídeos

Fotos

Leia também

    Leia tudo sobre: acidente aéreo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG