Embarcação chega ao Recife com destroços e bagagens nesta sexta-feira

RECIFE - O assessor de comunicação social da Marinha, capitão-de-fragata Giucemar Tabosa, informou que a corveta Caboclo, com grande quantidade de destroços e bagagens a bordo, deixou o local de buscas e chegará ao Porto do Recife, nesta sexta-feira, às 9h. O material será transferido para os representantes do Escritório de Investigação e Análise para a Aviação Civil (BEA, na sigla em francês). Já a fragata Bosísio, que está em Natal para manutenção de rotina, deve seguir também para o Porto do Recife com mais destroços do avião. Não há previsão para a chegada da Bosísio ao Recife.

Socorro Macedo, especial para o Último Segundo |

Na tarde desta quarta-feira, às 14h30, um avião C-130 Hércules pousou no Recife com seis corpos que estavam em Fernando de Noronha. Eles foram levaram ao Instituto Médico Legal, a fim de que sejam concluídos os trabalhos de identificação.

Divulgação

Peça recolhida pela Marinha nas buscas pela aeronave

Até o momento foram recolhidos 50 corpos, sendo que 49 desses estão sendo identificados no IML do Recife. Um corpo ainda está a bordo do navio-tanque Gastão Motta, que não tem previsão de seguir para o arquipélago de Fernando de Noronha.

O Comando da Marinha e o da Aeronáutica informam ainda que, na última quarta-feira, foram recolhidos despojos (fragmentos de corpos) pelo Navio-Anfíbio Mistral, da Marinha francesa, mas que não há previsão de quando esses despojos serão transferidos para embarcações brasileiras. Destroços e bagagens também estão sendo recolhidos na região.

Representantes da Air France e das empresas contratadas pela seguradora francesa Axa estiveram na tarde da última quarta-feira no IML para reunião. A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco confirma que houve a reunião, mas não informou quem participou dela e o que foi discutido. A assessoria de imprensa da SDS ainda informou que não há previsão de identificação dos corpos e nem o número de quantos corpos já teriam sido analisados.

França x IML

O diretor do BEA, Paul-Louis Arslanian, criticou na última quarta, em entrevista coletiva em Paris, o fato de os legistas franceses não estarem participando diretamente da necropsia realizada no Instituto de Medicina Legal (IML) no Recife, segundo agências de notícias. A Polícia Federal (PF) e a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) responderam às crítica informando que a participação de qualquer autoridade francesa nos trabalhos realizados pelo Instituto de Medicina Legal foi acertada junto à Embaixada Francesa e à Polícia Federal. 

A PF e a SDS informaram ainda que quatro peritos franceses estão credenciados e participam dos trabalhos na condição de observadores desde o dia 10 de junho. Estão participando dos trabalhos, Sylvie Garnier (comandante de polícia), Gil Delehaye (investigador), Charles Danjart (cirurgião dentista) e Alain Sanvoisin (médico).

Entenda

Dor das famílias

Vídeos

Fotos

Leia também


    Leia tudo sobre: avião

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG