Destroços do Airbus sugerem queda brusca

Os destroços do Airbus da Air France que caiu no Atlântico quando seguia do Rio para Paris, com 228 pessoas a bordo, indicam que o avião sofreu uma queda repentina, mas não há vestígios de uma explosão em pleno voo, revelam especialistas consultados pela imprensa brasileira.

AFP |



O Airbus A330 caiu no mar na noite do dia 31 de maio e as causas do acidente permanecem um mistério.

AFP
Destroços do Airbus A330 da Air France

As autoridades militares brasileiras exibiram, em um hangar da base aérea de Recife, dezenas de fragmentos recuperados no mar pela Marinha.

Segundo o ex-piloto Ari Germano, autor de um livro sobre acidentes aéreos, as fotos dos destroços parecem indicar que os passageiros do Airbus foram pegos de surpresa e que a tragédia ocorreu tão rapidamente que a tripulação não teve tempo de reagir.

"Vi a divisória situada entre a seção onde a tripulação prepara a comida e o compartimento dos passageiros. Havia assentos ali. O curioso é que estes assentos duplos, usados pela tripulação, estavam recolhidos (...) o que sugere que a tripulação circulava pelos corredores" quando ocorreu o acidente.

"No caso de sinal de alerta ou iminência de risco, a tripulação estaria sentada e atada a seus assentos. Eles não tiveram tempo de fazer nada" disto.

O comandante Ronaldo Jenkins, consultor de segurança da União de Empresas Aéreas, disse que não viu qualquer colete salva-vidas e destacou que as partes do revestimento interno e externo do avião não apresentam sinais de fogo ou fumaça.

"Os primeiros 37 fragmentos recuperados reforçam a tese de que o Airbus não explodiu antes de cair (...): nenhuma das peças mostra sinais" de fogo ou fumaça.

Entenda

Dor das famílias

Vídeos

Fotos

Leia também

Leia mais sobre: voo 447


    Leia tudo sobre: acidente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG