Conheça detalhes dos aviões que fizeram a busca do Airbus da Air France

RECIFE - Conheça detalhes de alguns modelos de aeronaves utilizados na operação de busca ao Airbus A330.

Redação |

R-99 Guardião

De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), o R-99 é capaz de fornecer imagens e informações eletrônicas sobre objetos no solo em tempo real e próximo a tempo real.

  • Divulgação / FAB
    R-99 Guardião
    R-99 Guardião

    Ele vem equipado com uma variada gama de sensores complexos, que inclui um radar de abertura sintética (SAR) de alta performance, sensores eletro-opticos e multi-espectrais, e sistemas de comunicação e inteligência eletrônica. É capaz de atingir as áreas e altitudes de operação em muito pouco tempo.

    Divulgação / FAB
    R-99 Guardião
    R-99 Guardião

    O R-99 B é mais um membro da família de aeronaves de inteligência, reconhecimento e vigilância, baseada no jato regional ERJ 145 da Embraer.

    C-130 Hércules

    A FAB explica que o Lockheed C-130 Hércules é o mais versátil avião de carga em sua classe. Encomendado em 1951 pela Força Aérea dos Estados Unidos, é utilizado em todo o mundo. Teria se tornado uma das lendas da Aviação atual.

    Divulgação / FAB
    C-130 Hércules da FAB
    C-130 Hércules da FAB

    Empregado no Vietnã como Transporte Aéreo ¿ e principalmente como canhoneira aérea, utilizando quatro miniguns de 7.62 mm, para saturação de área -, o C-130 tirou de apuros, em diversas ocasiões, as tropas terrestres americanas.

    A sua mais famosa participação em combate foi durante o resgate de Entebbe, em Uganda, quando comandos israelenses os utilizaram para libertar passageiros de um Airbus que havia sido sequestrado por terroristas.

    Divulgação / FAB
    C-130 Hércules da FAB
    C-130 Hércules da FAB

    Segundo a FAB, na Guerra das Malvinas, o Hércules foi utilizado extensivamente por ambas as Forças (Inglaterra e Argentina), o que também ocorreu no conflito entre Irã e Iraque. No Brasil, o C-130 é chamado carinhosamente por seus pilotos de "O Gordo" e é responsável por inúmeras missões, que vão do Lançamento de paraquedistas ao reabastecimento em voo, passando por missões de busca e salvamento e de transporte aéreo.

    Os C-130 da FAB fazem constantes viagens internacionais de ressuprimento aéreo, além de vôos especiais à Amazônia ou à Antártida. Na Guerra das Malvinas, todos os vôos de ataque da aviação argentina foram reabastecidos pelos C-130 sem registro de qualquer problema.

    Aeronave Amazonas C-105

    O C-105 é um avião militar de transporte tático e versátil, com o custo operacional mais baixo sua categoria. O C-105 é capaz de realizar uma escala larga das missões com eficácia máxima: transporte tático e logistico, lançamento de para-quedistas, cargas ou evacuação médica.

    De acordo com a FAB, os aviões C-105 são bons para transporte médio e o apoio às atividades ligadas ao Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM) e ao Projeto Calha Norte, de caráter fundamentalmente social. Ele ajuda no apoio às populações em zonas remotas do Amazonas com difícil acesso a outros meios de transporte.

    Foi projetado operar-se das pistas de decolagem curtas nos mais diversos ambientes; seu forte clara permite o uso de campos macio-aplainados. A carga volumosa pode fàcilmente ser carregada ou descarregado através da porta traseira da rampa, que pode ser aberta no vôo para operações do "airdrop".

    C-95 Bandeirante

    A FAB classifica o C-95 como um best-seller da categoria. Ele efetua missões de transporte de cargas leves e de passageiros, além de lançar pára-quedistas em missões de infiltração ou de salto livre. Sua versatilidade permite também a participação tanto em operações de busca e salvamento, quanto para aferir equipamentos dos aeroportos.

    Divulgação / FAB
    C-95 Bandeirante
    C-95 Bandeirante

    O Bandeirante partiu de um projeto do Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento (IPD) do Centro Técnico Aeroespacial (CTA) na década de 60.

    P-95 (Bandeirulha)

    Trata-se de uma versão do Bandeirante para patrulhamento marítimo. Tem motores PT-6A-34 e tanques de ponta de asa que lhe aumentam a autonomia para sete horas e vinte minutos.

    Divulgação / FAB
    P-95 (Bandeirulha)
    P-95 (Bandeirulha)

    Equipado com aparelho de radar colocado no nariz, e pontos "duros" sob as asas para lançamento de foguetes, conta também com faróis de longo alcance destinados à busca noturna. Os Bandeirulhas patrulham a costa, executam a identificação e o controle do tráfego mercante e se adestram em operações de busca e salvamento.

    Divulgação / FAB
    P-95 (Bandeirulha)
    P-95 (Bandeirulha)

    P-3 Orion, da Força Aérea dos EUA

    A FAB explica que os P-3 são utilizados principalmente em missões de patrulha marítima, para a proteção da Zona Econômica Exculsiva (ZEE) brasileira, controle de fronteiras contra o tráfico de armas e drogas na região amazônica e em missões de busca e resgate numa área de mais de 6 milhões de Km² (praticamente todo o Atlântico Sul) de responsabilidade do Governo do Brasil, conforme a OACI.

    Veja imagens das buscas


    Entenda

    Dor das famílias

    Vídeos

    Fotos

    Leia também

    • Leia tudo sobre: avião

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG