Achar caixa-preta do avião da Air France será tarefa épica

LONDRES- Os primeiros relatos de observação dos possíveis destroços de um avião da Air France desaparecido sinalizam o início do que deverá ser uma das operações mais desafiadoras já organizadas para recuperar uma caixa-preta.

Redação com agências internacionais |

Veja no infográfico a rota do airbus avião da Air France desaparece

A caixa, que na verdade se constitui em dois aparelhos diferentes contendo gravações das vozes da cabine do piloto e dados de instrumentos, representa a melhor oportunidade de descobrir por que o Airbus sumiu numa tempestade sobre o Atlântico na rota Rio de Janeiro-Paris com 228 pessoas a bordo.

Os equipamentos são programados para enviar sinais de orientação ao atingir a água, mas apenas localizá-los apresenta-se como uma das tarefas de resgate mais árduas desde a exploração do Titanic e, com sorte, poderá levar meses, dizem especialistas.

Se estiverem em águas tão profundas como temem algumas pessoas, 4 mil metros ou mais, submarinos-robô chegarão a seus limites. No entanto, outros desastres do passado levaram a progressos na tecnologia, trazendo esperança para se descobrir o que aconteceu.

"Há uma boa chance de o gravador ter sido preservado, mas o problema principal seria encontrá-lo", disse Derek Clarke, diretor administrativo adjunto da Divex, com sede em Aberdeen, que projeta e constrói equipamentos de mergulho militar e comercial.

"Se você pensar no tempo que se levou para encontrar o Titanic e que os destroços devem ser menores, o que se procura é uma agulha num palheiro. Há uma extensa área para pesquisar e é possível gastar meses usando sonares a uma grande profundidade."

As caixas-pretas têm um sinalizador para debaixo d'água chamado "pinger" que é acionado quando o gravador está imerso em água. O sinalizador é capaz de transmitir a partir de profundidades de até 4.300 metros, de acordo com o Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos Estados Unidos.

Recorde de profundidade

Clarke passa o tempo preparando-se para o impensável como parte de uma rede industrial que permanece de sobreaviso para ajudar em resgates submarinos.

Mas a profundidade nessa faixa do oceano excede o máximo de 600 metros ao qual qualquer Marinha poderia tentar um resgate submarino bem-sucedido, disse um experiente especialista em mergulho da Marinha Real Britânica.

O Brasil informou nesta terça-feira que aviões militares localizaram destroços a cerca de 650 quilômetros de Fernando de Noronha (PE).

Com base nas notícias da provável localização do avião, Neil Wells, professor de oceanografia e meteorologia do Centro Nacional de Oceanografia da Grã-Bretanha, disse que a caixa-preta poderia estar a mais de 4 mil metros abaixo da superfície.

"Não há dúvida sobre isso; os limites da tecnologia serão pressionados. Não é uma operação fácil."

A indústria do petróleo tem capacidade significativa de operar equipamentos em grandes profundidades, mas o faz apenas até os 3 mil metros, disse Clarke. Profundidades como essas estão bem abaixo do alcance de embarcações com tripulação.

Uma série de "prowlers" para águas profundas, como o Alvin da Marinha dos EUA, que vasculhou os destroços do Titanic a 4 mil metros de profundidade no Atlântico em 1986, pode ser equipado para essas profundezas.

Resgate é possível

Um relatório da Marinha norte-americana baseado em desastres similares, divulgado sob a Lei de Liberdade de Informação no ano passado, considerou possível resgatar destroços de aeronaves, incluindo caixas-pretas, em profundidades de até 6 mil metros.

O documento citou avanços na tecnologia desde a década de 1980, como sonares para vasculhar o fundo dos oceanos, novos softwares e sinalizadores acústicos ou "pingers" que indicam a localização debaixo da água.

As duas caixas-pretas do acidente com o vôo 182 da Air India foram recuperadas. A aeronave explodiu perto da costa irlandesa em 1985. Elas foram encontradas a cerca de 2 mil metros de profundidade, numa operação que durou mais de duas semanas.

Dois anos depois, o avião do vôo 295 da South African Airways caiu no Oceano Índico perto de Maurício, deflagrando a busca de uma aeronave em águas mais profundas já realizada. Os investigadores encontraram o gravador de voz do cockpit após três meses de busca a mais de 4.200 metros de profundidade, o recorde até agora.

Sejam quais forem os desafios, os especialistas afirmam que os interesses são muito grandes para desistir de uma busca. "Não saber seria totalmente inaceitável para a Airbus e para a aviação em geral", disse David Learmount, editor de segurança e operações da revista britânica Flight International.

Passageiros e relatos

 Vídeos:

Leia também:

Leia mais sobre viagem aérea

    Leia tudo sobre: acidente aéreo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG