Ao chegar a hotel e Brasília, Obama ganha chinelos e camisetas

Família presidencial foi presenteada com chinelos com estampas em verde e amarelo e camisetas com símbolos de Brasília

iG São Paulo |

A primeira imagem do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no Brasil foi de sorrisos e acenos. Ele desembarcou em Brasília por volta das 7h30, seguido pela filha mais velha, Malia, de 10 anos, depois pela primeira-dama, Michelle, e a filha caçula, Sasha, de 7 anos, e a sogra Marian Robinson.

Com um vestido vermelho de alças, bijouterias coloridas e cabelo preso em um coque, Michelle sorriu para fotógrafos e cinegrafistas. Apenas quando entraram no carro oficial, Malia - de vestido verde e branco, casaco preto e pulseiras no braço direito - e Sasha - de vestido branco e rosa - sorriram. Michelle e as filhas terão agendas paralelas à de Obama tanto em Brasília quanto no Rio.

No Hotel Golden Tulip, às margens do Lago Paranoá, na região central de Brasília, Obama e a família foram recebidos com presentes. O presidente ganhou apenas um par de chinelos de dedo com estampas em verde e amarelo.

A primeira-dama e as crianças ganharam chinelos, também verde e amarelo, e mais camisetas com os símbolos de Brasília – o Palácio do Planalto, a Catedral e o Congresso Nacional. Para Malia e Sasha, a direção do hotel deixou sobre a cama conjuntos de lápis de cor cujas caixas tinham imagens de Brasília.

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, desembarca em Brasília com a primeira-dama, Michelle, e suas filhas Malia e Sasha
O presidente dos EUA, Barack Obama, chegou na manhã deste sábado ao Brasil para a primeira etapa de um giro latino-americano de cinco dias que incluirá o Chile e El Salvador e foi descrito pela Casa Branca como "emblemático".

Com sua mulher, Michelle , e as filhas Malia e Sasha, o líder americano desembarcou às 7h42 na Base Aérea depois de o avião Air Force One ter pousado às 7h31. Após o desembarque, Obama e sua comitiva seguem para o hotel Golden Tulip, onde ficam antes do encontro previsto para às 10 horas com a presidenta brasileira, Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto.

A viagem, que ocorre em meio à tragédia do Japão e à crise na Líbia , foi descrita como muito importante pelo governo americano. "Vemos uma enorme convergência de interesses entre Brasil e EUA, e um momento enorme de oportunidades", afirmou nesta semana o conselheiro adjunto de Segurança Nacional dos EUA, Ben Rhodes.

Washington quer aproveitar o enorme potencial econômico da relação bilateral com o Brasil, que se transformou na sétima potência econômica e cujas trocas comerciais com os EUA dobraram na década passada.

Depois que China superou os EUA como principal comprador das exportações brasileiras, Washington quer recuperar a iniciativa e está interessado, segundo a Casa Branca, em desenvolver uma colaboração em energia e infraestruturas - principalmente em relação aos investimentos que o Brasil terá de fazer para os Jogos Olímpicos de 2016 e a Copa do Mundo de 2014.

Além disso, o Brasil conta com reservas de petróleo que equivalem ao dobro das americanas e vê a perspectiva de se transformar em exportador da matéria-prima. No encontro, os dois presidentes devem também abordar a colaboração em energia nuclear.

Embora os EUA garantam que uma das grandes vertentes da viagem seja fomentar a criação de empregos, a conversa com Dilma não se limitará a isso.

Os dois governantes devem abordar também o Irã, que, no ano passado, foi um dos motivos de distanciamento entre Washington e Brasília após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter alcançado um acordo nuclear com Teerã considerado insuficiente pelas potências internacionais.

Os dois líderes devem discutir as aspirações do Brasil a um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, e há expectativa de que Obama dê seu apoio ao País como fez no ano passado em relação à Índia durante giro pela Ásia .

Após o encontro no Palácio do Planalto, Dilma e Obama fazem uma declaração conjunta e seguem para o Itamaraty, onde encerram um encontro de CEOs brasileiros e americanos e assinam um acordo de Previdência. Em seguida, participam de almoço com empresários e outros convidados.

Por volta das 15h, Obama discursa para empresários no encerramento do Fórum Empresarial Brasil-EUA, no Centro Empresarial 21. Antes de embarcar às 18h20 para o Rio de Janeiro, para a segunda etapa de sua viagem no Brasil, o líder americano participa às 17h20 de uma recepção no Palácio do Alvorada oferecida por Dilma.

*Com EFE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG