Palazzo Del Cinema, que abriga o evento, está em reforma. Enquanto isso, os jornalistas acomodam-se no chão

Fachada do Palácio dos Festivais na véspera da 67ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza
AP
Fachada do Palácio dos Festivais na véspera da 67ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza
A passagem suave das gôndolas para lá e para cá não é algo que se vê durante o Festival de Veneza. Isso porque o evento não acontece na ilha principal, mas no Lido, um pedaço de terra comprido e estreito. Lá entra carro e há até linhas de ônibus – e ai de quem não tiver comprado o bilhete. É multa na certa, principalmente tarde da noite, quando todo o mundo está cansado até para a relativamente pequena caminhada entre o Palazzo Del Cinema e a Gran Viale Maria Elisabetta, a avenida principal, onde ficam os (poucos) restaurantes abertos até tarde. Quem se arrisca sem o bilhete topa com os vários fiscais que fazem hora extra nessa época.

O Lido também é a praia de Veneza. Um dos lados da ilha dá para a mesma laguna de Veneza, mas o outro é para o Mar Adriático. Bonita, mesmo, a praia não é, mas tem seu charme, meio decadente, com bangalôs que custam uma fortuna, principalmente aqueles do hotel Excelsior, onde se hospedam os famosos e nem tanto que participam do festival. É no Lido também que fica o Hotel des Bains, onde Thomas Mann escreveu e Luchino Visconti filmou Morte em Veneza . Atualmente, o mítico prédio está em reforma.

De qualquer forma, trata-se do único festival do mundo onde se chega de barco, como brincou o habitué George Clooney (sim, quem vem de Veneza chega da maneira tradicional). O ator tem participado ano após ano, enfrentando constrangimento atrás de constrangimento nas entrevistas coletivas – em 2009, um sujeito de um programa de humor italiano chegou a “se declarar” para o ator e ficou só de cueca, para desgraça do astro e de todos os jornalistas presentes. Talvez por isso, em 2010 ele não deve comparecer.

Veneza tem dessas coisas, até porque, como estamos na Itália, tudo é bem mais bagunçado e divertido do que em Cannes. Por exemplo: o Palazzo Del Festival, uma obra fascista de Benito Mussolini, está em reforma. Em tese, era para ter ficado pronto neste ano, mas sabe como é. Enquanto isso, o salão majestoso do anexo Palazzo Del Casinò, de pé direito a perder de vista, abriga o lounge wi-fi, cheio de móveis de design – no ano passado, foram instalados pouco práticos pufes gigantes (talvez para os jornalistas dormirem nos intervalos entre as sessões, vai saber!). Como a sala de imprensa de wi-fi não comporta todo o mundo, há jornalistas espalhados por todo lado nesse lounge, principalmente no chão – não há tomadas para todo o mundo, e cada um se arruma como pode. Até na porta do banheiro um repórter responsável se postou no ano passado.

Apaixonado por produções orientais, o diretor do Festival de Veneza, Marco Müller, reservou uma surpresa para esta edição
Getty Images
Apaixonado por produções orientais, o diretor do Festival de Veneza, Marco Müller, reservou uma surpresa para esta edição
Quanto à seleção, ela costuma conter surpresas. De verdade. Um ou dois filmes surpresa são anunciados durante o evento. Em 2009, foram My Son, My Son, What Have you Done? , o segundo longa de Werner Herzog em competição, e Lola , de Brillante Mendoza. Em 2010, será apenas um. Fora isso, há as habituais bombas, produções inexplicáveis mesmo, que exigem paciência de Jó dos jornalistas obrigados a cobrir tudo. Digamos que o gosto do diretor Marco Müller é meio peculiar, às vezes. Nascido em Roma em 1953, de um pai suíço-italiano e de uma mãe ítalo-greco-brasileira, costuma gostar muito das produções orientais – ele estudou orientalismo e antropologia na Itália e fez especialização e doutorado na China. Admira tanto que usa ternos de estilo chinês, com aquela golinha pequena. Vamos ver o que ele reservou para este ano.

Mas é certo que, depois da tragédia que foi 2008, 2009 foi bem melhor. E esta 67ª edição promete. A única coisa é que os jornalistas podem se preparar para ficar sem almoço e jantar durante os 11 dias de evento. Isso porque Veneza tem nada menos que 24 filmes em competição, fora as produções hors concours e mostras paralelas. Para se ter uma ideia, Cannes tem no máximo 20 longas em competição, com um dia a mais de festival. Para piorar, em Veneza a primeira sessão de imprensa acontece às 9h, e a última, às 22h. É um massacre digno de John Woo, que, aliás, vai ser homenageado com o Leão de Ouro pela carreira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.