“Contágio” é thriller eficiente, mas sem novidades

Novo filme do cineasta Steven Soderbergh com elenco estelar fala de epidemia mundial

Mariane Morisawa, enviada especial a Veneza |

O prolífico Steven Soderbergh mostrou “Contágio” fora de competição em sessão para jornalistas na manhã deste sábado (3), no Festival de Veneza 2011 . A produção parece escalação de all-star: Matt Damon, Gwyneth Paltrow, Jude Law, Kate Winslet, Marion Cotillard, Laurence Fishburne.

Divulgação
Matt Damon em cena de "Contágio": filme diverte na medida em que um thriller sobre epidemia pode divertir
O longa mostra como o mundo tenta reagir a uma epidemia mundial que mata pessoas em escala avassaladora. É aquele tipo de filme-painel, que leva a ação para vários lugares e prova como todos estamos interligados, não importa se em Hong Kong ou Minneapolis.

Gwyneth Paltrow é uma das primeiras vítimas, Matt Damon faz seu marido, inexplicavelmente imune à doença, Jude Law, um blogueiro que desconfia das versões oficiais, Kate Winslet e Marion Cotillard são médicas. O pânico se instala, as cidades viram terra de ninguém, um ser humano passando por cima do outro para se salvar. Como sempre, Soderbergh é direto, com imagens bem-feitas e uma montagem vertiginosa. “Contágio” diverte na medida em que um thriller sobre epidemia pode divertir, mas não passa muito disso.

Getty Images
"Para mim foi interessante ter um protagonista que não fala", disse o diretor Steven Soderbergh
Na coletiva de imprensa do início da tarde de sábado, Soderbergh disse que o objetivo foi ser o mais realista possível. “Queríamos que todas as partes científicas fossem corretas, as cenas em que o vírus era discutido tinham de ser plausíveis.” Indagado se havia alguma metáfora sobre a crise econômica mundial, ele negou. “Um vírus é um vírus. E isso é libertador. Para mim foi interessante ter um protagonista que não fala, mas do qual os outros falam.” Ele também admitiu que começou a pensar mais no assunto epidemia. “Estou lavando mais as minhas mãos. Mas vim para cá de avião e tenho apertado muitas mãos. É o mundo em que nós vivemos.”

Siga o iG Cultura no Twitter

O cineasta também deu sua explicação sobre como conseguiu atrair tantas estrelas para seu elenco. “Quando você tem um bom roteiro, não há tanta dificuldade para atrair talento.” No caso de Matt Damon, a colaboração é antiga. “Não há partes difíceis em trabalhar com Steven, por isso fiz seis filmes com ele”, brincou o ator. Para ele, seu personagem, que protege a filha de todas as maneiras que pode, faz o que todo pai faria. “Não acho que seja um herói. Mas, na minha casa, eu me sinto um herói de ação.”

Gwyneth Paltrow disse que, numa situação como essa, não é possível ser heróico. “Acho que é muito diferente ajudar numa enchente e num furacão, quando você iria depois do acontecido. Com um vírus, você se colocaria em perigo. Mas acredito que o espírito humano quer ajudar.” Ela ainda afirmou que não acredita que sua personagem seja punida com a doença por conta da traição. “Se fosse uma punição, vamos fechar as portas dessa sala, especialmente porque estamos na Itália”, disse, provocando risos. “Somos todos humanos, falíveis. Não acredito que seja uma punição.”

null

    Leia tudo sobre: festival de veneza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG