Atração Perigosa " / Atração Perigosa " /

Ben Affleck dirige produção competente sobre assaltante de bancos

¿Não queria glorificar nem simplificar a violência¿, diz diretor de Atração Perigosa

Mariane Morisawa, enviada especial a Veneza |

Reuters
Jon Hamm, Jeremy Renner, o diretor Ben Affleck e a atriz Rebecca Hall em Veneza
A chuva intensa que voltou a cair na manhã desta terça-feira (8) no Lido, inundando novamente a sala de imprensa e o térreo do Palazzo Del Casinò, não impediu que a coletiva de imprensa de Atração Perigosa , dirigido por Ben Affleck, estivesse lotada no início da tarde, algumas horas depois da exibição do longa-metragem para os jornalistas.

Affleck baseou-se no romance de Chuck Hogan sobre o crime no bairro de Charlestown, em Boston – cidade natal do ator e diretor, aliás. Doug MacCray (Ben Affleck) é o líder de uma gangue de assaltantes de bancos e carros-forte. Seu melhor amigo, Jem (Jeremy Renner, indicado ao Oscar por Guerra ao Terror ), é o esquentadinho do grupo. Eles assaltam uma agência bancária, e Jem decide levar como refém a gerente Claire (Rebecca Hall, de Vicky Cristina Barcelona ).

Ambos temem que ela dê alguma informação importante ao agente do FBI Frawley (Jon Hamm, do seriado Mad Men ), e Doug fica encarregado de vigiar seus passos. Acaba se aproximando dela, desenvolvendo uma relação, sem que Claire saiba, obviamente, quem ele realmente é. Doug é assaltante, mas tenta evitar a violência e parece disposto a mudar de vida depois que conhece Claire. Com uma história familiar complicada, ele tenta escapar de sua sina.

A produção contém muitas cenas de ação, com tiroteios e perseguições impressionantes, mas elas chegam a cansar um pouco no final. Apesar de ter uma trama similar à de outros filmes já vistos, Atração Perigosa delineia bem o personagem e seu drama. Doug é um produto de seu meio violento, com uma mãe que desapareceu quando ele era pequeno e um pai que está na prisão. É interessante a dualidade de Doug, um criminoso de certo caráter. Enquanto isso, o agente do FBI feito por Jon Hamm é violento e antipático. Atração Perigosa é uma produção competente e mais adulta do que a média, ainda que não ultrapasse as limitações de seu gênero.

Berço molda personalidade

Na coletiva de imprensa, à qual compareceram Ben Affleck e os atores Jon Hamm, Jeremy Renner e Rebecca Hall, o diretor disse que foi Dennis Lehane, autor do romance que baseou o filme de estreia de Affleck na direção, Medo da Verdade , quem indicou o romance de Hogan. “Eu não queria fazer uma história em Boston de novo, mas me identifiquei, gostei do papel e acabei fazendo.”

O ator e cineasta disse que viu uma relação com as produções antigas de James Cagney. “Também é muito importante a ambientação, para que as pessoas acreditem no que estão vendo. Quando assisti ao filme Gomorra (do italiano Matteo Garrone), nunca estive em Nápoles, mas tive a impressão de que ele conseguiu captar a atmosfera corretamente.” Ele pensou bastante para ter um equilíbrio na narrativa. “Não queria nem glorificar nem simplificar a violência. Tentei fazer com que o filme fosse tão correto e complexo quanto possível.”

Reuters
Ben Affleck acena no tapete vermelho
Ele comentou as semelhanças entre esta produção e Gênio Indomável : “Acho que ambos têm essa ideia de como o lugar de onde você vem molda quem você será no futuro e a questão da paternidade. É o que me interessa, mas talvez eu devesse tentar algo diferente”. Ele pretende continuar sua carreira atrás das câmeras. “É um jeito de me expressar artisticamente.”

Indagado como se sentia em relação a I’m Still Here , dirigido por seu irmão, Casey Affleck, e também exibido em Veneza, disse que achava “espetacular como ele captava a cultura da celebridade, o zeitgeist”. A mesma jornalista perguntou o que havia na casa dos Affleck para gerar dois diretores tão talentosos, o que provocou uma resposta bem-humorada de Ben: “Você está parecendo minha mãe, assim fico envergonhado”.

Rebecca Hall foi chamada a comparar o diretor de Atração Perigosa e Woody Allen. “É impossível comparar diretores, um bom diretor é um bom diretor. Engraçado que Woody Allen também é um ator. Mas Ben Affleck é um diretor que acontece de ser também um grande ator”, disse a inglesa. Ben Affleck entrou na conversa: “Lembra que você me disse que nosso talento é inversamente proporcional à nossa altura? Obrigado por isso!”.

Jon Hamm agradeceu a oportunidade de interpretar um personagem tão diferente do protagonista de Mad Men . “Ninguém quer ficar interpretando o mesmo papel, mesmo que seja um tão recompensador quanto Don Draper. Na primeira e na segunda temporadas da série, eu costumava receber de 50 a 60 roteiros por ano, todos sobre publicitários dos anos 1960. Quando essa chance apareceu, tive certeza de que queria fazer.”

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG