Zac Efron faz menino de fazenda no conservador "At Any Price"

Perda de rumo e conservadorismo provam que o filme, vaiado, não precisaria estar na competição em Veneza

Mariane Morisawa - enviada especial a Veneza | - Atualizada às

O cenário de “At Any Price”, exibido na noite desta quinta-feira (30) em sessão de imprensa, na competição do Festival de Veneza 2012 , parece aquele em que o Super-Homem caiu na Terra. O filme do americano Ramin Bahrani se passa no Estado de Iowa, com seus milharais a perder de vista. Faz parte de uma onda recente do cinema independente dos Estados Unidos voltar-se para outras regiões, talvez refletindo a divisão que se aprofunda no país. Foi o primeiro longa que disputa o Leão de Ouro a receber vaias sólidas durante a projeção.

Leia também: "Estou faminto por papéis desafiadores", conta Zac Efron em Veneza

Henry (Dennis Quaid) é dono de uma fazenda e vendedor de sementes que usa slogans de grandes empresas, como “Expanda ou morra”. Afinal, o agronegócio hoje é tão dominado pela tecnologia quanto outros mercados e também utiliza os mesmos métodos de conglomerados de outras áreas.

Acesse o especial do Festival de Veneza

Seu maior sonho é que os filhos herdem o negócio. Só que Grant (Patrick Stevens), seu preferido, sai pelo mundo, e Dean ( Zac Efron ) está mais interessado em corridas de carros e louco para sair daquele buraco. As coisas começam a sair dos rumos esperados quando Henry é acusado de trapacear na venda de sementes geneticamente modificadas fabricadas por um grande conglomerado.

O problema maior é que o filme também perde o rumo, conformando-se e sendo tão conservador quanto aquela sociedade que aparentemente queria criticar. Não era para estar na competição de Veneza.

Assista a um trecho de "At Any Price":

    Leia tudo sobre: Festival de VenezaZac Efronat any pricedennis quaid

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG