"Izmena" é "Um Corpo que Cai" à moda russa

Na competição, filme de Kirill Serebrennikov faz um estudo curioso do amor e da traição

Mariane Morisawa - enviada especial a Veneza |

A vida na Rússia não é nada fácil. Pelo menos, é o que se tira de conclusão ao assistir aos filmes do país. Assassinatos são abundantes, gente é acusada de crimes que não cometeu, o futuro parece inexistente. O que não muda, com exceções, é o rigor estético das produções.

Kate Hudson, Jonathan Demme: O Festival de Veneza em imagens

Tudo bem que Kirill Serebrennikov exagera aqui e ali nos malabarismos com a câmera, mas “Izmena” (“traição”, na tradução literal do inglês) é um estudo curioso do amor e da traição. O filme foi exibido nesta quarta-feira no Festival de Veneza 2012 .

Poderia-se até dizer que se trata de uma comédia – cheia de humor negro, claro. De repente, um acidente mata várias pessoas num ponto de ônibus, e o protagonista sem nome (Dejan Lilic) escapa por pouco. Ele acabara de saber de uma médica (Franziska Petri) que sua mulher estava tendo um caso com o marido dela.

Leia também: Filme sobre o pós-11 de Setembro abre Veneza

Os traídos acabam se aproximando, num jogo de espelhos e duplos que faz muitas referências a “Um Corpo que Cai” , de Alfred Hitchcock – dos coques e da mudança de figurino e maquiagem da protagonista à torre (na verdade, um hotel) onde os amantes se encontram.

Leia também: 'Um Corpo que Cai' é eleito o melhor filme da história

    Leia tudo sobre: festival de venezaizmenacinema russo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG