Cinema latino-americano busca espaço em mostras paralelas de Veneza

Nove produções de Brasil, Argentina, México e Paraguai vão representar a região, mas somente em mostras paralelas do festival

EFE |

EFE

Divulgação
Sandra Corveloni e Lui Seixas no curta-metragem "O Afinador"

Nove produções de Brasil, Argentina, México e Paraguai representarão a cinematografia da América Latina no 69º Festival Internacional de Cinema de Veneza, todas elas em mostras paralelas do evento.

O cinema latino-americano chegará à próxima edição do festival, que será realizada entre 29 de agosto e 8 de setembro, com um pouco menos de força que no ano passado e não terá nenhuma produção entre os 18 filmes que disputarão o Leão de Ouro na competição oficial.

A seção "Horizontes", que conta com seus próprios prêmios e júri e que dá espaço aos formatos mais inovadores, é a que monopoliza o maior número de filmes latino-americanos, quatro no total, dos quais apenas um é longa-metragem e concorre ao prêmio de melhor filme desta mostra.

Leia também:  Anderson, Malick e De Palma chegam como favoritos em Veneza

Trata-se de "Leones", coprodução entre Argentina, França e Holanda, dirigida pela cineasta Jasmim López. O curta brasileiro "O Afinador" , de Fernando Camargo e Matheus Parizi e com os atores Lui Seixas, Norival Rizzo e Sandra Corveloni, também concorre nesta mostra paralela.

Fora de concurso, dentro das projeções especiais, será apresentado o documentário franco-argentino "El Impenetrable", de Daniele Incalcaterra e Fausta Quattrini, enquanto na seção de "Clássicos de Veneza" se exibirá o documentário "Miradas Múltiples", produção de México, Espanha e França dirigida por Emilio Maillé.

Além das seções paralelas, diretamente administradas pela organização do Festival de Veneza, participam do evento outras produções dentro da chamada "Semana Internacional da Crítica" e "Jornadas de Autor", nas quais o cinema latino-americano costuma ter uma recepção calorosa.

A produção mexicana "No Quiero Dormir Sola", de Natalia Beristain, competirá dentro da "Semana Internacional da Crítica", enquanto a coprodução de Itália, Argentina e Paraguai, "Muta", de Lucrecia Martel, e "Tabu", do português Miguel Gomes (com produção brasileira) serão exibidos nas "Jornadas de Autor".

Neste ano haverá presença latino-americana também dentro do júri que concederá os prêmios da seção oficial: o cineasta e produtor argentino Pablo Trapero.

    Leia tudo sobre: Festival de Venezacinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG