Prateleiras de supermercado estão ficando vazias, relata brasileiro no Chile

¿Estamos assustados¿. A afirmação é do personal trainer Arthur Jareno que tenta desde o fim de semana voltar ao Brasil. Jareno está em Santiago, no Chile, e não tem previsão para retornar ao País.

Camila Nascimento, iG São Paulo |

"Estamos bem, porém, presos. Os danos foram significativos nas ruas, estradas e aeroportos. Por enquanto, não temos previsão para voltar ao Brasil", contou em entrevista ao iG . Segundo estimativas do governo, cerca de 400 brasileiros esperam para retornar ao País. 

Após o pânico que viveu no dia 27, quando um terremoto de 8,8 graus na escala Ritcher atingiu o Chile deixando pelo menos 802 mortos, Jareno está alojado em um acampamento improvisado no salão de festas de um hotel da cidade.

"Como as réplicas não param, achamos por bem dormir em algum lugar mais seguro que o quarto. Formamos um acampamento no salão de festas, que fica no térreo e próximo à rua, para poder sair o mais rápido possível em caso de emergência". 

Pelas ruas, pessoas assustadas, prateleiras praticamente vazias e muita fila. "Fomos ao supermercado e tinha fila para entrar. As prateleiras estão ficando vazias. Nos postos, também há fila para colocar gasolina. Em todos os cantos que olhamos, há vidros estilhaçados e lojas com produtos no chão". 


Mercado da cidade de Lota é saqueado no Chile / Reuters

Parecia cena de filme

Apesar do cenário e da vontade de voltar para a casa, Jareno diz que o momento de desespero vivido na madrugada do dia 27 é o que ele jamais esquecerá. "Parecia cena de filme", afirmou. "Havia chegado às 3 horas ao hotel, no bairro de Las Condes, e me preparava para dormir quando acabou a luz. Me levantei para ver o que havia acontecido e tudo começou a tremer", disse. "Tremia tanto que eu não conseguia ficar em pé", completou. 

Assustado, e tendo a certeza de que o prédio desabaria, o personal trainer decidiu descer as escadas. "Fui me segurando nas paredes. Os quadros iam caindo. Quando cheguei lá embaixo, a piscina tinha ondas, o chão parecia de borracha. Foram dois minutos aproximadamente em que tudo tremia. Ficamos um bom tempo na rua, pois as réplicas eram sentidas a cada 15 ou 20 minutos".


Ajuda começa a ser distribuída em Concepción / AFP

Assistência

Segundo Jareno, ele tem recebido todo auxílio possível por parte do hotel e da empresa aérea em que comprou a passagem de volta ao Brasil. 

Na terça-feira, um grupo de 30 brasileiros chegou ao País trazido pelo avião reserva da Presidência da República. Segundo informações do Itamaraty, diplomatas brasileiros que estão no Chile mantêm contato permanente com as autoridades chilenas para que sejam tomadas todas as providências. 

O Itamaraty disponibiliza três números para quem quiser mais informações. Os interessados podem ligar para o Núcleo de Assistência a Brasileiros pelos números (61) 3411-8804, (61) 3411-8805 e (61) 8197-2284, das 10h às 18h.


Leia também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: brasilchileterremototerremoto no chile

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG