Banda experimenta sem perder o foco no que pode ser o último show de sua carreira

O Sonic Youth não decepcionou os fãs no que pode ser o último show de sua carreira. Todas as marcas registradas dos 30 anos da trajetória da banda estavam lá: as guitarras barulhentas, a mistura da sujeira punk com o mais radical experimentalismo, o apelo escondido em meio à estranheza. Tudo isso em pouco mais de uma hora de apresentação.

Acesse o especial SWU

O show começou morno, com a lenta "Brave Men Run (In My Family)". Parecia que o grupo ia repetir a performance apática de sua segunda passagem pelo Brasil, em 2005. Mas a segunda música, a violenta "Death Valley 69", mudou a atmosfera logo em seguida. Os longos e barulhentos improvisos de guitarra estavam lá, mas a banda nunca perdeu o foco.

Kim Gordon cantou maior parte das doze músicas da noite. Além das duas primeiras, ela também interpretou as duas seguintes, "Sacred Trickster" e "Calming the Snake", ambas do mais recente trabalho do Sonic Youth, "The Eternal", de 2009. O guitarrista Lee Ranaldo cantou a quinta, "Mote", momento em que o tradicional barulho do grupo se fez presente com força.

Depois de mais uma música cantada por Kim ("'Cross the Breeze", faixa da obra-prima "Daydream Nation", de 1988), finalmente Thurston Moore assumiu o microfone. Disse, em inglês mesmo, que estava muito feliz de estar de volta ao Brasil e anunciou a música "Sister". Foi uma pequena gafe (Kim Gordon até esboçou um sorriso), porque a música chama-se "Schizophrenia" ("Sister" é o nome do disco em que a música está).

Foi um dos pontos altos da noite, junto com as duas músicas que fecharam a apresentação. A primeira, "Sugar Kane", é uma das canções mais pop da carreira do Sonic Youth, mas aqui ganhou uma versão longa e barulhenta. A segunda e última, "Teenage Riot", é apenas o maior clássico da banda. Foi a canção mais aplaudida pelos fãs e um fechamento perfeito para o show.

Leia também: Thurston Moore e Kim Gordon, fundadores do Sonic Youth, se separam

Apesar de Kim Gordon ter dominado o início da apresentação, a estrela do final foi Thurston Moore. Ele já havia feito estripulias das mais variadas com sua guitarra. Mas, em "Teenage Riot", se superou: colocou o instrumento no chão, simulou fazer sexo com ele e depois começou a tocá-lo com o peito, o queixo, a boca. Antes de sair do palco, disse que espera voltar em breve. Os fãs esperavam que a promessa seja para valer.

Veja abaixo o setlist do show do Sonic Youth no SWU:

"Brave Men Run (In My Family)"
"Death Valley 69"
"Sacred Trickster"
"Calming the Snake"
"Mote"
"'Cross the Breeze"
"Schizophrenia"
"Drunken Butterfly"
"Starfield Road"
"Flower"
"Sugar Kane"
"Teenage Riot"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.