Rage Against the Machine faz show tumultuado no SWU

Som falhou em vários momentos da apresentação e grade que separa público do palco quase cedeu

Augusto Gomes, iG São Paulo |

O Rage Against the Machine é uma banda conhecida pela intensidade de seus shows. Mas o que se viu neste sábado no SWU foi forte até para os padrões do grupo. Afinal, não é sempre que o público fica tão enlouquecido a ponto de derrubar parte da grade que separa a pista comum da pista premium e, depois, quase pôr ao chão a grade que separa o público do fosso do palco. Foi exatamente isso que aconteceu no show do grupo na Fazenda Maeda, em Itu (interior de SP).

Os problemas começaram logo após a terceira música do show, "People of the South". Quem estava próximo ao palco viu diversos seguranças correndo com canos de metal nas mãos. Eles seriam usados para reforçar as grades, que naquele momento ameaçavam ceder por causa da pressão do público. Após a música seguinte, o show foi interrompido e a organização fez um apelo: que todos dessem três passos para trás.

O vocalista do Rage Against the Machine, Zack de la Rocha, endossou o pedido: "Please, step back just a little bit" (em português, "por favor, vão só um pouquinho para trás"). Após uma pausa de cinco minutos, o grupo voltou com um de seus maiores sucessos, "Bulls on Parade". Mas, na faixa seguinte, "Township Rebellion", aconteceu outro problema: o som falhou e só era possível ouvir o retorno do palco. Veio então uma nova interrupção, dessa vez mais longa, de quinze minutos.

Após essa pausa, a apresentação seguiu sem problemas mais graves, a não ser um intervalo um pouco longo demais entre uma música e outra. A banda agiu com total profissionalismo: não se abalou com as falhas no som e continuou tocando com as mesma intensidade de antes. Zack de la Rocha parecia inclusive estar se divertindo com o tumulto.

O bis veio após os alto-falantes tocarem a Internacional Comunista (antes, o grupo já havia dedicado uma música aos sem terra, e Tom Morello usou um boné do MST). Primeiro a banda tocou "Freedom" e, logo em seguida, o seu maior clássico, "Killing in the Name" (com direito ao público gritando em coro o refrão "fuck you, I won't do what you tell me").

Apesar do carisma do vocalista Zack de la Rocha, é inegável que o grande astro da banda é o guitarrista Tom Morello. Autor de riffs pesadíssimos e solos que ora parecem disparos de metralhadora, ora lembram um DJ de hip hop, o músico é o grande responsável pelo poder de fogo da banda.

O SWU continua neste domingo e segunda, com atrações como Kings of Leon, Pixies, Queens of the Stone Age, Linkin Park, entre outros.

    Leia tudo sobre: SWURage Against The Machine

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG