Banda compensou atraso de quase uma hora com performance poderosa

Josh Homme, líder do Queens of the Stone Age
Jorge Rosenberg, especial para o iG
Josh Homme, líder do Queens of the Stone Age
O Queens of the Stone Age era uma das apostas mais certeiras para show mais poderoso do SWU, ao lado do Rage Against the Machine. Pois a banda liderada por Josh Homme atendeu às expectativas. Um repertório impecável, interação com a plateia, músicos talentosíssimos e muito, mas muito peso. Já se pode dizer sem medo de errar: foi a melhor apresentação entre as centenas que aconteceram neste SWU.

O show começou com quase uma hora de atraso, no único caso em que as performances nos dois palcos principais saíram do horário combinado. Mas, quando a banda abriu a apresentação com "Feel Good Hit of Summer", todos esqueceram a irritação com a demora. Logo em seguida, a banda tocou "The Lost Art of Keeping a Secret", outro sucesso do álbum "Rated R", que acaba de completar dez anos.

O disco foi a base da apresentação, mas não faltaram sucessos dos outros três álbuns posteriores (o primeiro, de 1998, foi ignorado). Em "Sick Sick Sick" a violência sonora foi rápida, enquanto em "Long Slow Goodbye" ela foi mais lenta e pesada. As três últimas músicas foram os pontos altos do show: "Go with the Flow", "No One Knows" e "A Song for the Dead", clássicos do álbum "Songs for the Deaf".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.