Sindicalistas e estudantes se enfrentam na Assembleia de MS

Manifestação, que terminou em pancadaria, exigia investigação de denúncias de corrupção envolvendo Zeca do PT

Alessandra Messias, iG Campo Grande |

Alessandra Souza
Sindicalistas e estudantes se enfrentam diante do prédio da Assembleia Legislativa do Estado

Sindicalistas ligados à Zeca do PT partiram para a agressão contra estudantes na manhã de hoje em frente a Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

O confronto tornou-se inevitável quando simpatizantes de Zeca chegaram à Assembléia e começaram a jogar sabão e varrer os estudantes com vassouras e pancadas.

O movimento dos estudantes sul-mato-grossenses, conhecido como “Fórum contra a corrupção em Mato Grosso do Sul”, pediam o aprofundamento das investigações sobre as denúncias de “caixa dois” na campanha de Zeca e sobre os R$ 120 milhões desviados para publicidade.

Os protestos também faziam menção ao escândalo do FAT, da Sanesul e ao desvio de dinheiro na Secretaria de Cultura no governo de Zeca do PT.

De acordo com o estudante de direito Jodascil Gonçalves Lopes, 22 anos, a manifestação era contra corrupção, no entanto, “o sindicalista Jaime Teixeira começou a jogar sabão em pó em cima de mim e também tentou me varrer. Ele me bateu e jogou pedras de sabão no meu rosto”, conta o jovem.

“Sabemos que Jaime é ligado ao PT, mas não sabíamos que ele e seu bando estavam lá. Ele agrediu o segurança da Casa de Leis. Então, falei que se era para lavar o chão o primeiro que tinha que esfregar era o Zeca, peguei a placa e a ensaboei no chão”, explicou o estudante.

Mesmo depois da pancadaria a passeata dos estudantes prosseguiu para a OAB (Ordem dos advogados do Brasil), Ministério Público Federal e Polícia Federal.

O presidente do Diretório Acadêmico da Universidade Católica Dom Bosco, Clovis Bevilaqua, João Paulo Calves, afirma que se reuniu com o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de MS), Jaime Teixeira, na semana passada.

Na ocasião, Jaime Teixeira teria entregado ofício afirmando que a Fetems aderiria ao movimento.
Segundo Calves, Teixeira teria afirmado que pretendia lutar para punir Zeca do PT e o deputado Vander Loubet. 

Se sentindo enganados os estudantes revelam que a Fetems não fez nada contra Zeca, além disso, descobriram que Teixeira é filiado ao PT. 

Na versão de Jaime Teixeira, as manifestações foram democráticas. Ele nega a denúncia de Jodascil e João Calves de que foram agredidos por ele e por militantes petistas.

“Não vi ninguém ligado à Fetems ou ao Fórum contra a corrupção em Mato Grosso do Sul agredindo ninguém. Ninguém entrou em choque. Protestos como esse fazem parte da democracia”, explicou Jaime Teixeira.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG