Jaime Campos sustenta que governador usa 'máquina pública' para aliciar prefeitos em favor de sua reeleição

O senador e vice-presidente do DEM no Mato Grosso Jaime Campos acusa o governador Silval Barbosa (PMDB) de ter comprado apoio de prefeitos democratas.

A revolta de Campos decorre da debandada de cinco prefeitos para o grupo do governador, somente nesta semana.

O DEM é aliado da chapa encabeçada pelo tucano Wilson Santos.

Por descumprimento à lei de fidelidade partidária, instituída em 2007, os prefeitos correm o risco de serem expulsos do partido.

O senador democrata defende a expulsão dos prefeitos, a quem chama de “infiéis”.

"Alguma coisa deve ser feita porque a situação é preocupante. O partido não é um balcão de negócios e como fica enquanto instituição?", questionou Campos. Ele insinua que "migração" dos prefeitos para Silval pode estar ligado a supostas práticas ilícitas, custeadas pela máquina do Estado.

"A pressão é muito grande no interior e nas administrações municipais. É muito fácil para quem detém a máquina", salientou.

O presidente regional do DEM, Oscar Ribeiro, disse que vai se reunir com a cúpula para discutir o assunto e assegurar a unidade do partido em torno do candidato do PSDB.

Ribeiro explicou, ainda, que a eventual expulsão dos administradores infiéis precisa antes passar pelo crivo do colegiado do DEM no Estado.

Silval Barbosa, no entanto, alega não estar utilizando a máquina pública para cooptar novos aliados, provenientes de siglas adversárias.

Para o governador-candidato, a adesão dos prefeitos decorre do distanciamento entre as decisões do DEM e expectativa das bases.

Silval acrescenta que o reconhecimento da gestão Maggi – em especial, dos investimentos realizados em infraestrutura – exerce influência no comportamento dos administradores municipais.

Já Wilson Santos (PSDB) prefere se esquivar do assunto.

Na lista de apoiadores de Silval estão os prefeitos de Santa Cruz do Xingu, Eurípedes Néri; de São José do Xingu, Gilberto Mendes Leoncini; de Alto Boa Vista, Aldecides Milhomen; de Bom Jesus do Araguaia, Aloísio Kacob e de Alto Taquari, Maurício Joel de Sá.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.