O Departamento de Estado dos EUA reforçou nesta terça-feira que agora é o momento de aprovar sanções contra o Irã, apesar da oposição do Brasil e da Turquia. Achamos que é a hora de atuar, disse o porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley.

"Pode haver debate sobre as sanções específicas que se deveriam ser adotadas", acrescentou Crowley, em entrevista coletiva no Centro de Convenções de Washington onde termina hoje a Cúpula de Segurança Nuclear convocada pelos Estados Unidos.

Crowley reiterou que o Irã não cumpriu com suas obrigações internacionais e rejeitou as ofertas de diálogo dos Estados Unidos.

"Após mais de um ano no qual tentamos por todos os meios negociar com o Irã, tem que haver consequências para a incapacidade de Terrã de satisfazer à comunidade internacional a respeito de seu programa nuclear", disse o porta-voz.

Oposição brasileira

O Brasil resiste à aplicação de sanções contra o Irã . Representantes do Brasil e Turquia propõem que o Irã envie parte de seu urânio levemente enriquecido à Turquia e que este país o troque por combustível nuclear que receberia dos países ocidentais e que depois mandaria a Teerã, explicou hoje um alto funcionário do Ministério de Assuntos Exteriores do Brasil.

A fonte disse que essas duas delegações tentariam conseguir um encontro do presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e do primeiro-ministro turco, Recep Tayipp Erdogan, com o governante americano, Barack Obama, para lhe explicar a proposta.

Obama tem uma reunião bilateral com Erdogan prevista, enquanto sua secretária de Estado, Hillary Clinton, se encontrará com o chanceler brasileiro, Celso Amorim.

Segundo a Casa Branca, o presidente da China, Hu Jintao, concordou em cooperar na resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre novas sanções contra o Irã em um encontro na segunda-feira com Obama. OS EUA precisam do apoio de Pequim que tem poder de veto no CS.

O Brasil também faz parte do Conselho atualmente, mas como não é um membro permanente, não tem capacidade para bloquear a resolução.

Leia mais sobre segurança nuclear

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.