Ságuas e Farid são presos por crime eleitoral em Arenápolis

Prisão de candidato a deputado federal e prefeito da cidade foi determinada pelo juiz eleitoral Alexandre Pampado

Kelly Martins, iG Cuiabá |

Candidato a deputado federal, o deputado estadual Ságuas Moraes (PT) foi preso hoje pela Polícia Civil juntamente com o prefeito de Arenápolis, Farid Tenório (DEM), por determinação do juiz eleitoral do município, Alexandre Delicato Pampado.

Ságuas estaria oferecendo almoço a correligionários na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) local em troca de voto, o que é proibido pela legislação eleitoral.

O deputado e o prefeito foram presos em flagrante e encaminhados à delegacia de Arenápolis (a 258 km de Cuiabá).

Outras 25 pessoas que estavam no evento também foram detidas para prestar depoimento.

Ságuas e Tenório apoiam a reeleição do governador Silval Barbosa através da coligação "Mato Grosso em Primeiro Lugar", integrada por PMDB, PT, PR e PP.

O candidato do PT nega a prática de crime eleitoral e conta que está detido em uma sala, onde aguarda para ser ouvido pelo delegado Sérgio Medeiros.

Ságuas  alegou que estava participando de um encontro com filiados do PT e não sabia que haveria almoço.

"Quando eu estava falando chegou a oficial de Justiça. Ela ligou para o juiz, que pediu que todos fossem levados para a delegacia e explicasse o caso", contou o petista.

Ságuas é o principal candidato do grupo liderado pelo presidente regional da sigla, Carlos Abicalil, que disputa uma das duas vagas do Senado.

Ambos estão sendo investigados pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) por suposto uso da máquina pública em campanha.

Ságuas ocupou por um período a secretaria de Educação (Seduc) durante a gestão do ex-governador Blairo Maggi (PR), e é acusado de estar utilizando a estrutura da pasta para enviar e-mails, propagandas e convites para servidores públicos.

Computadores e documentos foram apreendidos ontem na Seduc pela Polícia Federal por determinação do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT).

O mandado de busca e apreensão partiu do corregedor do TRE, desembargador Márcio Vidal, e atende pedido do procurador regional eleitoral Thiago Lemos de Andrade.

Ságuas também é investigado, juntamente com o deputado federal candidato ao Senado Carlos Abicalil pelo MPE por suspeita de utilizar a estruturar da máquina pública na campanha.

Ambos estariam utilizando a estrutura da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para enviar e-mails, propagandas e convites para servidores públicos, o que é proibido pela legislação eleitoral.

Segundo o MPE, servidores da Secretaria teriam sido flagrados atuando na campanha dos petistas.

A denúncia, encaminhada ao procurador regional eleitoral Thiago Lemos pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), foi feita depois que o petista Ságuas Moraes deixou a Seduc.

Moraes foi substituído pela atual secretária Rosa Neide, que pertence ao mesmo grupo político que ele e o presidente estadual do PT, deputado federal Carlos Abicalil, que busca a reeleição.

Todos os suspeitos pertencem à coligação “Mato Grosso em Primeiro Lugar”, do também candidato à reeleição, o governador Silval Barbosa.

Caso os crimes sejam comprovados, os candidatos podem ter o registro de candidatura cassados e, se eleitos, podem perder o mandato por decisão da Justiça Eleitoral.

Computadores e documentos foram apreendidos ontem na Seduc pela Polícia Federal após o pedido de busca e apreensão feito pelo MPE ser deferido pelo corregedor do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Márcio Vidal.

O teor do material apreendido, no entanto, não foi divulgado, já que a investigação está sendo feita em sigilo.

    Leia tudo sobre: Eleições MTEleições Prisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG