Roberta Medina, do Rock in Rio: "A dança do pajé é poderosa"

Produtora do festival comemora erro nas previsões de chuva e agradece ao pai pela contratação de entidade esotérica

Valmir Moratelli e Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

Vicente Seda
Roberta Medina, produtora do Rock in Rio
Dotados do disputado broche “Eu fiz” em vez do vendido nas lojinhas de produtos licenciados “Eu vou”, os integrantes do clã Medina circulam no meio dos mortais que, ao atravessarem a entrada da Cidade do Rock, se apressam em direção ao miolo do curral do palco Mundo, onde acontecerão os principais shows do Rock in Rio .

Apesar de reconhecer que alguns ajustes ainda são necessários na organização da entrada dos fãs, Roberta Medina, produtora do festival, comemora a superstição do pai, Roberto, que contratou a Fundação Cacique Cobra Coral para combater a previsão de chuva no Rio de Janeiro para sexta e sábado.

Siga o iG Cultura no Twitter

Com sol de rachar refletindo na sua blusa de lantejoulas, Roberta brincou:

“Durante toda essa semana, todos os sites fizeram previsões de chuva. Não pode reclamar do pajé. A dança dele é poderosa, deu certo”.

Em seguida, falando sobre assuntos que independem da vontade de São Pedro, a produtora responsável pelo Rock in Rio admitiu falhas de organização, segundo ela normais para as primeiras horas após a abertura de portões.

Indagada sobre o acúmulo de pessoas, visto que a fila ora andava, ora tinha o fluxo interrompido, justificou:

“Isso foi proposital, pois estávamos testando as catracas com um determinado número de pessoas. Agora já liberamos e estão a mil, está vendo?", disse, apontando para a “manada” que apressava o passo em direção ao palco. “Esses primeiros minutos são para ajustes. O balanço desses primeiros minutos de evento é que tudo está sob controle”.

A produtora confesssou estar ansiosa pela apresentação de Stevie Wonder, na próxima quinta-feira, mas não está otimista em relação a conseguir.

“Agora com a abertura das portas demos o passo inicial para transformar em realidade o sonho de um ano de trabalho. Cheguei às 10h hoje e só vou sair depois de fechados os portões. Acho que será difícil assistir a algum show hoje, mas quero muito ver o Stevie Wonder”, concluiu.

Acesse o especial Rock in Rio

    Leia tudo sobre: Rock in Riomúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG