Cantora britânica mostrou sua black music do túnel do tempo para plateia de fãs

O palco Sunset se mostrou pequeno para Joss Stone. A cantora britânica entrou em cena exatamente quando o sol caía no horizonte, daí o nome do palco secundário do Rock in Rio fez bastante sentido.

Descalça e com um vestido roxo que lhe cobria o corpo, foi recebida com aplausos fervorosos e balões da mesma cor de sua roupa. Mas não eram só eles que estavam atentos: o festival se esvaziou para vê-la emular a música negra dos anos setenta.

Em sintonia, portanto, com a programação que tem Stevie Wonder como principal nome. "Vocês sabiam que o Stevie Wonder vai tocar hoje?", perguntou a moça no microfone, "que excitante!". E mandou ver na sua mistura de soul music e funk, com uma pitadinha de r&b contemporâneo.

Só sorrisos e simpatia, Joss jogava charme o tempo inteiro, seja com seu sotaque britânico, seja fingindo surpresa com a recepção. "Vocês são incríveis", repetia. Abriu o show com a balançante "You Had Me", mas preferiu depois preferiu privilegiar músicas de seu novo disco, "LP1", seu quinto trabalho, aos 24 anos, o primeiro longe de uma grande gravadora.

A temperatura, naturalmente, diminuiu. Se "Karma", "Landlord" e "Newborn", entre outras, provam ter parentesco com outro estilo, o blues, mesmo assim a banda - metais, teclado, guitarra, bateria - tratou de manter os pés no passado, com muito suingue.

Stone continua aquele famoso (e curioso) híbrido de Janis Joplin, Diana Ross, Gladys Knight e até um pouquinho de Nina Simone, voz grave, potente e maleável. Se não precisava fazer muito para arrancar gritos dos fãs no garjarejo, ela conquistou mesmo a turma do fundão em dois momentos, com o hit "Super Duper Love" - num arranjo funkeado, distante do pop que o consagrou nas rádios - e "Tell Me What We're Gonna do Now", citando "Good Lovin" de Bob Marley.

O único porém foi o volume. Distantes da qualidade do palco Mundo, as caixas de som do Sunset não oferecem muito a quem não esteja no meio, e de frente. Mesmo sem vento, as músicas se perdiam pela Cidade do Rock. 

Acesse o especial Rock in Rio

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.