Vice do Egito pede diálogo com Irmandade Muçulmana

Em entrevista à TV estatal, Omar Suleiman disse ter convidado maior grupo de oposição para dialogar

BBC Brasil |

selo

Enquanto seguem nesta quinta-feira os conflitos entre manifestantes pró e contra o governo do Egito no centro do Cairo , o novo vice-presidente do país, Omar Suleiman, disse que convidou o principal movimento oposicionista egípcio, a Irmandade Muçulmana, para dialogar.

No entanto, segundo Suleiman – que concedeu entrevista à TV estatal egípcia –, os membros do grupo estariam “hesitantes" em relação ao convite.

AFP
Ex-chefe de inteligência do Egito, vice-presidente dá entrevista à TV Al-Masriya
A Irmandade Muçulmana, o maior e mais organizado grupo de oposição no Egito, é oficialmente proibida, mas tolerada pelo governo, e seus integrantes concorrem em eleições como independentes. Analistas dizem que a abertura de um diálogo com o grupo representa uma grande mudança de postura do governo.

Saída de Mubarak

Suleiman rejeitou as exigências dos manifestantes de dissolução do Parlamento, afirmando que “é necessário para avaliar o tema das reformas constitucionais” e disse que as eleições presidenciais devem ocorrer em setembro, como originalmente planejado.

"O presidente não se candidatará, nem seu filho", disse ele, referindo-se a rumores que há anos circulam no Egito de que Gamal Mubarak poderia suceder seu pai, o presidente Hosni Mubarak.

O vice-presidente, que até a semana passada ocupava o cargo de chefe da inteligência, pediu tempo para que o governo possa atender as exigências dos manifestantes. Ele disse ainda que "pedir pela saída de Mubarak é pedir pelo caos" e que a "intervenção externa em nossos assuntos é estranho, inaceitável e algo que não permitiremos".

Suleiman disse que o país perdeu pelo menos US$ 1 bilhão em turismo nos últimos nove dias e que 1 milhão de turistas deixaram o país desde o início dos tumultos, na semana passada.

Violência

Nesta quinta-feira, foram registrados novos confrontos no Cairo entre os grupos a favor e contra Mubarak, embora sem a mesma intensidade do dia anterior.

Às 17h (horário local, 13h de Brasília), o palco dos confrontos parecia ter mudado da Praça Tahrir para a ponte adjacente, a 6 de Outubro, e eles seguiam violentos.

Manifestantes pró-Mubarak pareciam estar em um número ligeiramente menor do que os contrários ao governo, porém melhor armados e aparentemente disparando rojões contra os adversários. Pouco antes do início desses confrontos, o Exército retirou seus blindados das proximidades da praça, aparentemente abrindo espaço para os choques entre os dois grupos.

O correspondente da BBC Paul Danahar afirmou ter visto pessoas jogando pedras umas nas outras e ter ouvidos tiros na Praça Tahrir.

Mais cedo, os manifestantes contrários a Mubarak haviam erguido barricadas no centro do Cairo, reforçando suas posições após os confrontos da quarta-feira. Os milhares de manifestantes antiMubarak afirmam que as declarações feitas pelo presidente na terça-feira - de que não tentará a reeleição, mas seguirá no poder até setembro - seriam insuficientes. Eles querem a saída imediata do presidente.

Há relatos de diversos jornalistas de fora do Egito que acabaram agredidos , verbal ou fisicamente, ou que tiveram equipamentos confiscados.

    Leia tudo sobre: egitohosni mubarakdia da iraprotestosomar suleiman

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG