Apesar de anúncio de que Mubarak não renunciará, manifestantes mantêm protestos e pedem que líder deixe o poder

O presidente do Egito, Hosni Mubarak, anunciou nesta quinta-feira que delegará mais autoridade a seu vice-presidente, Omar Suleiman, mas descartou renunciar, surpreendendo e frustrando centenas de milhares de manifestantes que se reuniram para celebrar sua partida da cena política após 30 anos no poder. Não ficou claro quais poderes foram transferidos para Suleiman.

Na praça Tahrir os manifestantes nem esperaram o discurso acabar para gritar palavras de ordem pedindo sua saída. Centenas de egípcios tiraram os sapatos e os agitaram em frente aos telões pelos quais assistiam ao discurso de Mubarak, um insulto em sociedades árabes, enquanto outros gritavam: "Abaixo Mubarak, saia, saia!"

Outros pediram a convocação de uma greve geral e dirigindo-se ao Exército, que mobilizou grande número de tropas no local do protesto, exigiu: "Exército egípcio, o momento da escolha é agora: o regime ou o povo!".

Pouco depois de Mubarak, enquanto a multidão gritava enfurecida, o vice-presidente fez um pronunciamento no qual pediu "união" aos egípcios..

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.