União Europeia abre escritório em reduto de rebeldes na Líbia

Chanceler foi a Bengazi inaugurar posto e fortalecer apoio a Conselho de Transição

BBC Brasil |

A chanceler da União Europeia, Catherine Ashton, abriu neste domingo um escritório do bloco europeu em Bengazi, cidade bastião dos rebeldes na Líbia.

AFP
Chanceler da União Européia, Catherine Ashton, chega a Bengazi
Ahston defendeu o Conselho Nacional de Transição – grupo formado pela oposição líbia -, que, segundo ela, representa as aspirações da população da Líbia e receberá o amparo da União Europeia.

Sua visita a Bengazi representa um importante apoio ao Conselho de Transição em sua busca por reconhecimento internacional, enquanto os rebeldes combatem o regime do líder líbio Muamar Kadafi.

Por enquanto, os rebeldes obtiveram o reconhecimento diplomático de França, Gâmbia e Itália. Esses países veem o Conselho Nacional de Transição da Líbia como representante no país até que sejam realizadas eleições, na eventualidade de ser derrubado o regime de Kadafi.

Já os Estados Unidos, no último dia 13, disseram em comunicado que os rebeldes líbios são “interlocutores legítimos e críveis” de seu povo, mas não chegaram a reconhecê-los como governo.

Durante sua visita a Benghazi, Ashton disse que a UE tem planos “de longo prazo” com os rebeldes, que chamou de “pessoas com as quais temos um forte diálogo”.

“O que podemos oferecer é apoio às instituições e à economia da Líbia. Estamos aqui para apoiá-los até o fim”, declarou.

Reação de Kadafi

Em resposta, o governo de Kadafi disse que a abertura do escritório europeu em Bengazi representava o “reconhecimento de uma entidade ilegítima”.

“Isso terá repercussões no relacionamento da Líbia com diversos países e instituições da UE”, afirmou comunicado da Chancelaria líbia.

Os desdobramentos diplomáticos ocorrem simultaneamente a confrontos entre rebeldes e tropas de Kadafi na Líbia, enquanto a Otan (aliança militar ocidental) realiza ataques aéreos.

As tropas do regime continuam entrincheiradas na capital Trípoli e no oeste do país.


    Leia tudo sobre: libiaunião européiaescritório

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG