Tunísia impõe toque de recolher em cidade após confronto

Estopim foi cancelamento de assentos do partido da cidade de Sidi Bouzid por alegações de que violou normas de financiamento de campanha

iG São Paulo |

Tropas dispararam para o ar nesta sexta-feira para dispersar uma multidão que tentava atacar órgãos do governo em Sidi Bouzid, localidade da Tunísia onde os levantes da Primavera Árabe começaram. As autoridades impuseram o toque de recolher noturno na cidade.

AP
Escritório local do partido islâmico moderado Ennahda é visto um dia depois de ter sido incendiado por manifestantes em Sidi Bouzid, Tunísia
Apesar de os tumultos terem acontecido horas depois de o partido islamista Ennahda ter sido declarado oficialmente vencedor da primeira eleição livre da Tunísia, não estavam ligados diretamente à vitória da legenda. O estopim foi o fato de um partido liderado por um empresário muito conhecido na cidade ter sido eliminado da votação por alegações de violação de normas de financiamento da campanha eleitoral.

Líderes do Ennahda afirmaram que a violência em Sidi Bouzid era uma tentativa das forças contrárias à revolução de desestabilizar o país, que até agora tem desafiado as previsões de que a eleição colocaria a nação em crise.

Ao mesmo tempo, o secretário-geral do Ennahda, Hamadi Jbeli, anunciou em Túnis que seu partido iniciou as negociações com outras legendas políticas para definir um governo de coalizão e espera formar o gabinete dentro de dez dias. Ele acrescentou que a prioridade nas negociações será a economia.

O líder do Ennahda, Rachid Ghannouchi, disse que o partido honrará o compromisso de elaboração de uma nova Constituição no prazo de um ano e não imporá às mulheres o uso do véu islâmico, porque todas as tentativas de fazer isso em outros paises árabes fracassaram.

O Ennahda liderará o novo governo da Tunísia após uma vitória eleitoral que deve definir um modelo para outros países do Oriente Médio agitados por revoltas este ano. O partido esteve proibido de atuar durante décadas e seus líderes eram forçados a fugir para o exterior

Violência

Sidi Bouzid, a cidade provinciana onde ocorreram os confrontos desta sexta-feira, foi o local onde o vendedor de legumes Mohamed Bouazizi ateou fogo a si mesmo em 17 de dezembro, em um ato de protesto contra a burocracia e a extorsão que sofria de autoridades. Ele morreu duas semanas depois.

O gesto de desespero provocou um amplo movimento popular que resultou na queda do ditador Zine El Abidine Ben Ali e serviu como estopim para a série de revoltas populares no Oriente Médio e no norte da África. Na quinta-feira, Bouazizi foi agraciado pelo Parlamento Europeu de forma póstuma, juntamente com outros quatro ativistas, com o prestigioso prêmio Sakharov 2011 , que promove a liberdade de pensamento.

Duas testemunhas em Sidi Bouzid disseram à Reuters que uma grande multidão tentava atacar a sede do governo local na cidade na sexta-feira. "Os militares tentam dispersar as pessoas com disparos para o ar e gás lacrimogêneo", disse uma das testemunhas, Attia Athmouni, por telefone.

As testemunhas disseram que lojas e escolas foram fechadas e um helicóptero de forças de segurança rodeava o local. Na noite de quinta-feira, depois que autoridades eleitorais anunciaram que cancelariam vários assentos conquistados pelo partido Lista Popular, uma multidão em Sidi Bouzid incendiou um escritório do Ennahda e o gabinete do prefeito local.

Uma fonte do Ministério do Interior disse que um toque de recolher seria imposto na cidade das 19h (horário local, 16h no horário de Brasília) às 5h.

O Ennahda tentou tranquilizar os secularistas nervosos com a perspectiva de um governo islâmico em um dos países mais liberais do mundo árabe, afirmando que respeitará os direitos das mulheres e não tentará impor um código moral muçulmano na sociedade. Depois que a vitória de seu partido foi confirmada, Ghannouchi prestou homenagem ao papel da cidade de Sidi Bouzid na revolução da Tunísia em janeiro, que forçou o líder autocrático Ben Ali a fugir do país.

Resultados

Ao anunciar os resultados na quinta-feira, os membros da comissão eleitoral disseram que o Ennahda ganhou 90 assentos na Assembleia de 217 lugares, que elaborará uma nova Constituição, formará um governo interino e agendará novas eleições, provavelmente para o início de 2013.

O rival mais próximo dos islâmicos, o secular Congresso para a República, ganhou 30 assentos, informaram os membros da comissão em uma sala lotada na capital, encerrando uma espera de quatro dias desde a eleição de domingo para que a contagem minuciosa fosse concluída.

O Ennahda não chegou a obter maioria absoluta na nova composição da Assembleia e a expectativa é que monte uma coalizão com dois secularistas e, com eles, forme um governo. Os islamistas terão maior influência sobre cargos importantes. Eles já disseram que apresentarão Hamadi, vice de Ghannouchi e ex-prisioneiro político, para o cargo de primeiro-ministro.

*Com Reuters, EFE e AFP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG