Todas as opções estão sobre a mesa contra Kadafi, diz Hillary

Em reunião de conselho da ONU, secretária de Estado americana conclama líder líbio a renunciar e pôr fim à violência

iG São Paulo |

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse nesta segunda-feira que todas as opções estão sobre a mesa para derrubar o líder líbio, Muamar Kadafi, por causa da violenta repressão contra opositores em seu país.

AFP
Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, é vista em tela de TV durante discurso na 16ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU
"Continuaremos explorando todas as opções possíveis de ação (para pressionar o regime a frear a violência). Como já dissemos, nada está fora de cogitação enquanto o governo líbio continuar ameaçando e matando cidadãos", afirmou Hillary, ao discursar perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, em que pediu aos países para que aprovem medidas que se somem às que já receberam sinal verde do Conselho de Segurança, como o embargo de armas e o congelamento dos bens do dirigente líbio .

"Trabalhamos com a ONU, a Cruz Vermelha e outras organizações para buscar uma solução humanitária para a crise líbia, mas ao mesmo tempo seguimos explorando outras ações", indicou.

A secretária de Estado americana também pediu nesta segunda-feira que Kadafi renuncie imediatamente e ponha fim à violência contra oposicionistas no país. "O povo da Líbia deixou claro: é chegada a hora de Kadafi sair. Agora. Sem mais violência", afirmou.

A secretária de Estado disse que a democracia trará mais estabilidade à região. "Sem passos concretos para governos representativos e transparentes e para economias abertas, o abismo entre as pessoas e seus líderes só vai aumentar, e a instabilidade se aprofundará ", disse.

Mercenários

Hillary acusou Kadafi e seus partidários de usar "mercenários e criminosos" para atacar civis desarmados e de executar soldados que se recusam a apontar armas para os cidadãos. "Kadafi e os que estão ao lado dele devem ser considerados responsáveis por esses atos, que violam as obrigações legais internacionais", disse.

A secretária de Estado disse que os princípios de democracia e liberdade "não são somente ocidentais e sim universais", e os EUA "estão prontos para ajudar em uma transição para a democracia, incluindo com auxílio financeiro".

"As pessoas da Líbia escreveram seu destino. Elas estão enfrentando as balas do ditador para conseguir desfrutar da liberdade, que é direito de todo homem, mulher e criança", disse.

Também nesta segunda-feira, a União Europeia impôs sanções incluindo um embargo de armas, congelamento de bens e proibição de viagens a autoridades líbias, incluindo o coronel Kadafi.

*Com EFE e BBC

    Leia tudo sobre: líbiakadafiegitotunísiamundo árabetrípolieua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG