'Tenho de ficar escondido enquanto falo com o mundo', diz ativista em Homs

Opositores do governo sírio contam como é viver em uma cidade sitiada e sob ataque das forças de segurança

BBC Brasil |

selo

Enquanto soldados patrulham as ruas de Homs, ativistas sírios usam a tecnologia para driblar o regime e contar ao mundo o que se passa no principal reduto da oposição na Síria. Com a ajuda da internet, e escondidos em sótãos e porões, os jovens ativistas contaram à BBC Brasil como é viver numa cidade sitiada e sob bombardeiro das forças de Bashar Al-Assad.

Há mais de uma semana , a cidade é alvo de intensa artilharia e de tanques das tropas leais ao governo. "É um trabalho incessante, de muito nervosismo, e perigoso. A polícia secreta anda pelas ruas controladas pelo governo. E nós temos que ficar escondidos, às vezes até em sótãos, para fazermos nosso trabalho", disse Sofian, de 31 anos.

Sofian explicou que usa telefone e modem via satélite para se comunicar com outros países árabes e o resto do mundo. "Falo com a imprensa internacional, coloco fotos e vídeos do que acontece aqui em Homs", afirmou Sofian, pai de dois filhos.

Leia também: Inércia diplomática encoraja mais violência na Síria, diz ONU

AP
Imagem de vídeo mostra suposto ataque das forças de segurança da Síria no bairro de Baba Amr, em Homs (13/02)

Enquanto falava com a BBC Brasil, Sofian disse que tropas do Exército patrulhavam sua rua à procura de manifestantes e pessoas ligadas à oposição. "Alguns amigos meus já foram presos pela polícia secreta. Todo cuidado é pouco", salientou.

Bombardeios

Ativistas dizem que mais de 400 pessoas já morreram em Homs desde o início do mês, quando as forças de segurança lançaram uma ofensiva contra ao menos sete bairros dominados pela oposição, como Baba Amr, Inshaat, Deir Baalbah e Karm al-Zeitoun.

Segundo o ativista, a padaria onde trabalhava foi danificada por disparos de tanques do governo, assim como muitas lojas na vizinhança. Em Homs, há relatos de intensos combates entre tropas do governo e combatentes rebeldes do Exército Livre Sírio, formado por desertores do Exército nacional e civis voluntários, nos bairros controlados pela oposição.

Grupos de direitos humanos dizem que mais de 7 mil pessoas já morreram na Síria desde março do ano passado. O governo sírio alega que ao menos 2 mil membros das forças de segurança morreram em combates contra "gangues armadas e terroristas".

Riscos

Sofian e outros ativistas fundaram um grupo chamado Confederação Livre de Homs, uma espécie de organização de ativismo na internet, incluindo uma página no Facebook, onde colocam fotos e notícias.

"Mas cada trabalho é solitário e individual. Não trabalhamos em grupos para não sermos presos todos juntos. O trabalho não pode parar", disse Sofian.

Outro ativista, Jabri, de 28 anos, disse à BBC Brasil que cada notícia é verificada ao menos com duas fontes diferentes para que haja o minímo de erro ao repassar o que acontece em Homs para a imprensa internacional. "Nos comunicamos pelos telefones por satélite e por Skype. Tentamos ao máximo verificar cada ocorrência envolvendo mortes, ataques, confrontos e prisões de oposicionistas", disse. "Não é algo profissional, não somos jornalistas, mas tentamos colher infromações de testemunhas para verificar cada evento. Isso dá mais credibilidade a nós quando passamos para a imprensa".

Jabri admite que o medo é um dos maiores desafios quando sai às ruas para filmar ataques de tropas do governo e colocar no YouTube. "Enquanto estou nas ruas, penso muito no meu pai e minha mãe. Eles ficam temerosos de que algo me aconteça, mas sempre me dizem que se orgulham de mim por tentar fazer o que é certo", disse ele, que também revelou ter perdido alguns amigos nas últimas semanas.

Sem preparo

Jabri contou que equipamentos como telefones, modems e computadores foram doações de fora da Síria. "Recebemos dinheiro e equipamentos de diversos lugares como Líbano, Árabia Saudita, Egito, França e Reino Unido. A maioria de sírios que moram no exterior e de organizações pró-democracia do Oriente Médio", diz.

O grande problema, segundo Jabri, é a falta de conhecimento de muitos ativistas sobre a internet e as ferramentas online. "A imensa maioria dos sírios não tem internet em casa. Poucos sabem usá-la de forma segura, usando ferramentas de segurança para evitar os monitores do governo. Então, tivemos que dar um treinamento rápido a várias pessoas do grupo que se tornaram ativistas da noite para o dia", explicou.

Para Jabri, o trabalho continua essencial, não importando se as informações serão usadas ou não pela mídia. "É tudo que podemos fazer, não somos combatentes, não temos armas aqui. O que podemos fazer é continuar registrando tudo a cada dia, mesmo sabendo dos perigos".

    Leia tudo sobre: síriahomsassadmundo árabeprimavera árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG