Protestos em várias cidades testam cessar-fogo na Síria

Forças de segurança entraram em choque com manifestantes, mas não há sinal de uso de violencia em larga escala

iG São Paulo |

AP
Imagem de vídeo mostra protesto em subúrbio de Damasco, capital da Síria
No primeiro grande teste ao cessar-fogo mediado pela Organização das Nações Unidas (ONU) na Síria, dezenas de milhares de manifestantes saíram às ruas de várias cidades do país nesta sexta-feira para protestar contra o governo do presidente Bashar Al-Assad.

Forças de segurança usaram bombas de gás e munição real para conter as manifestações e mortes foram denunciadas por ativistas, mas não há sinal de uso de violência em larga escala.

Leia também: Oposição síria convoca protestos para testar cessar-fogo

De acordo com testemunhas, tropas sírias lutaram contra rebeldes perto da fronteira com a Turquia. Três manifestantes foram mortos em Hama e Nawa, disseram ativistas do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, enquanto outro grupo de ativistas, os Comitês de Coordenação Local, disse que os confrontos deixaram sete vítimas.

Em Damasco, forças de segurança bateram em manifestantes que protestavam perto de uma mesquita no bairro de Qadam. Confrontos também doram registrados em Aleppo, segundo ativistas.

Desde que a revolta começou, há mais de um ano, o regime reprimiu protestos com violência brutal. Uma nova explosão de violência nesta sexta-feira representaria o fracasso do cessar-fogo acordado entre oposição e governo, que entrou em vigor na quinta-feira.

A trégua faz parte de um plano de paz mediado pelo enviado da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan. O porta-voz de Annan, Ahmad Fawzi, disse que o plano foi “respeitado relativamente” pelo governo sírio, apesar de as tropas e armamentos pesados não terem sido retirados das ruas de várias cidades.

Segundo Fawzi, uma equipe de monitores da ONU entrará na Síria se o Conselho de Segurança der sinal verde para isso, numa decisão que deve ser tomada nesta sexta-feira. Uma equipe maior, de até 250 observadores, poderia ser enviada na semana que vem, se o cessar-fogo durar.

Na quinta-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que a situação no momento parece calma, mas o cessar-fogo é “muito frágil” e pode ser quebrado a qualquer momento.

Segundo Ban, a responsabilidade e o ônus são da Síria para manter a promessa de cassar-fogo do governo. Ele disse ainda que o país deve provar ao mundo que anseia por paz.

A ONU afirma que nove mil pessoas já morreram desde março do ano passado, quando começou a violência entre manifestantes e governo na Síria.

Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeonukofi annanassadprimavera árabecessar-fogo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG